Anterior
Kofi Annan pede "ação decisiva" do Conselho de Segurança
Seguinte
CDS-PP exige ao Governo que peça meios
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Fogo na Madeira: tudo sobre o incêndio a deflagrar desde ontem

Fogo na Madeira: tudo sobre o incêndio a deflagrar desde ontem

Salvar vidas do fogo é prioridade máxima na Madeira. O incêndio de grandes proporções que está a deflagrar no concelho Funchal já consumiu casas e obrigou à evacuação de populações. Entre 60 e 70 desalojados vão ser abrigados no regimento da Guarnição nº3, no Funchal.
Dezenas de pessoas estão a ser retiradas de casa perante a ameaça das chamas
Dezenas de pessoas estão a ser retiradas de casa perante a ameaça das chamas / Homem de Gouveia/Lusa

"Todos os meios físicos e humanos estão no terreno", para combater as chamas que deflagraram em vários concelhos da Região, com particular incidência no Funchal, dada a dimensão das várias frentes de fogo", garante a presidência do Governo da Região Autónoma da Madeira em comunicado. "Neste momento, o mais importante são as pessoas e, por isso mesmo, foi montado um dispositivo para prestar todo o auxílio médico e de primeiros socorros às pessoas atingidas pelo fogo", acrescenta.

O Governo Regional da Madeira já acionou o plano de emergência, devido ao incêndio de grandes proporções que já destruiu casas e continua a espalhar o pânico na  zona do Palheiro Ferreiro e Choupana, freguesia de São Gonçalo, concelho do Funchal.

O fogo está a descer a zona próximo do Estádio da Madeira, estando já bem perto da via-rápida, adianta o  "Diário de Notícias da Madeira".

Na estrada para a Camacha, as chamas cobrem uma grande área. O incêndio é visível da cidade do Funchal, tendo a Agência Lusa apurado que várias pessoas foram forçadas a sair de casa. O Ministério da Administração Interna já anunciou que vai enviar na quinta-feira de manhã 90 homens num avião C-130 da Força Aérea para ajudar a combater os fogos. O diretor do "Diário de Notícias da Madeira" disse à SIC Notícias que o incêndio atinge "proporções dantescas." Num direto feito pela RTP Madeira, na zona das Neves, perto do edificio da ANACOM, "ouvia-se rebentamentos que pareciam de botijas de gás".

Os bombeiros não conseguem atender todas as ocorrências. As elevadas temperaturas e o vento forte estão a dificultar o combate das chamas. O Expresso já tentou contactar os Bombeiros e a Proteção Civil, mas sem sucesso. Fonte da Proteção Civil disse apenas que "a situação é difícil" e "praticamente todos os elementos  estão no local", não havendo possibilidade neste momento de dar mais informações.

Situação muito difícil

"A situação está muito complicada e todos os meios disponíveis dos bombeiros e da câmara, incluindo os autotanques da limpeza estão no local, mas a situação é muito difícil", disse à Lusa o vice-presidente da Câmara do Funchal.

Também o Hospital central da Madeira já está preparado para a situação de catástrofe nível 1, estando mobilizado todo o dispositivo médico.

A população fala também num cenário assustador, onde as chamas se propagaram a grande velocidade ajudadas pelo vento.  "É puro terror, onde as chamas devoram e engolam tudo o que lhes faz frente. Teve início pouco depois das 21h e logo incrivelmente se propagou à velocidade de um furacão. Temo pela angústia dos enclausurados mas chamas, e que surpreendidos nem tempo tiveram para fugir. Visto da baía do Funchal é mesmo assustador... É de arrepiar e esmorecer", escreve Tomás Freitas, o leitor do "Diário de Notícias da Madeira", na edição on-line do jornal.

Na quinta-feira, dia 12 de julho, Alberto João Jardim, pronunciou-se sobre o protesto agendado para o dia seguinte pela Associação dos Bombeiros Profissionais, no Funchal, designadamente contra a degradação das condições de trabalho e de vida dos bombeiros profissionais das associações humanitárias do Funchal, Machico e Santa Cruz.

"Quanto aos bombeiros, a questão é muito simples: em vez de quererem ser bombeiros municipais, foram-se fazendo associações. Depois o Governo foi-lhes fazendo as sedes, o equipamento que têm também foi o Governo que pagou e algumas associações, não todas, foram metendo gente sem ser preciso. E agora são eles {associações] que têm que resolver o problema", argumentou o governante madeirense.

"O Governo não ia pagar 50 bombeiros onde só basta ter 30", frisou Jardim. (Em atualização)


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Solidariedade ao Povo da Madeira!
E uma palavra aos Bombeiros da Madeira nesta hora dificil ,mas que acreditamos vão saber dominar!
Estes ventos c altas temperaturas são assassinos
Fosgasse , estou a ver as fotos na sic notícias , parece o apocalipse , ou uma tragédia grega , espero que a população fuja para a praia ou ao pé do mar , que estes incêndios são muito perigosos , porque juntando ventos fortes a altas temperaturas , temos fogos australianos ou fogos assassinos que alastram rapidamente e ganham a sua própria dinamica como se fossem furacões de fogo.
Hum...
A Madeira já está a arder, desde que o cretino do Jardim tomou conta dela.
O Governo Regional não teve capacidade para criar meios de proteção à laurisilva, ou é só encher as contas off-shore?
E os "cubanes" somos nós!...
Re: Hum...
Até aqui, a porcaria da publicidade!
É inaceitável que até nesta notícia de emergência nacional, o leitor tenha de "gramar" com o malfadado rectângulo da publicidade!

Haja ética ao menos em tempo de emergência! A aflição das pessoas também serve para vender espaço para anúncios, raio de valores estes!
Re: Até aqui, a porcaria da publicidade!
O valor da floresta
Sempre que começa o Verão, repete -se o terrível drama dos incêndios.

Em Portugal até já se instituiu a época oficial dos incêndios. Como se de uma mera actividade se trata-se, a exemplo da época da caça, ou da pesca. É certo, que o calor é uma condição propícia a fogos, mas estes não deflagram espontaneamente. A quase totalidade dos incêndios florestais é provocada por criminosos de toda a espécie. Que os incompetentes governantes deste País vão deixando viver impunemente.

Já pensaram, no que seria das empresas de aviões e helicópteros de combate a incêndios, se a floresta não ardesse. Note-se que estas empresas multiplicaram nos últimos Anos, tal é a rentabilidade. E a redução de verbas (por falta de incêndios), a atribuir aos Bombeiros para aquisição de material de combate a fogos. E os madeireiros, que teriam de pagar a madeira muito mais cara. É que a madeira queimada, para além de mais barata tem um grande aproveitamento.

Estes são alguns exemplos, mas existem muitos mais “sucateiros” e “chicos” espertos, que para atingirem os seus interesses obscuros, continuam Ano após Ano a destruir a floresta. Uma riqueza e Património que é de todos.

Veja-se também o "espectáculo" degradante que os Media fazem, sempre que acontece um grande incêndio.

Tal como na Indústria de armamento, se não houver guerras, há prejuízo.Com os incêndios, os interesses que estão envolvidos, são exactamente iguais.

Re: O valor da floresta
Re: A quem aproveita o crime?
Re: Incendio de grandes proporções no Funchal
Os "deuses" parecem estar zangados connosco....
Eles lá terão as suas razões...
Fogo posto ou não!!!???
Não me admiraria nada,devido ás temperaturas por demais elevadas,que os fogos sejam espontâneos.
Se por outro lado, houver mão criminosa,também não vai ser por muito tempo,pois a este ritimo,em poucos anos,deixa de haver seja o que for para arder.O que é pena...
Re: Fogo na Madeira: tudo sobre o incêndio a defla
NÃO FAÇO COMENTARIOS
Precisamos é de um combate aos pirómanos
Quando é que vamos perceber que precisamos é de um combate aos pirómanos? Através de mais Psicólogos nos Centros de Saúde a trabalhar com a população das vilas e aldeias isoladas, através de leis mais severas e através do conhecimento público, reportagens de pirómanos na cadeia e ainda campanhas de prevenção associadas à penalização do pirómano e elaboradas em conjunto com os próprios pirómanos detidos.
Esses verdes campos de Golf …

Já houve quem visse “bolas de fogo” a serem lançadas por avionetas desportivas não identificadas.
Um material inflamável, como por exemplo o fósforo branco que é praticamente impossível de extinguir.

Ardeu a mata. Não era permitido construir em área que já foi floresta.
Obrigatório reflorestar…
Mas para isso ainda era preciso bastante.
E veio então aquela conversa insinuante:
“permite-se esse abandono, essa desolação, esse campo triste de raquíticas estacas em processo de plantação?”
E depois a “solução” proposta:
“Quanto não era melhor ver esses viçosos relvados que fazem a felicidade dos golfistas milionários que os percorrem…
Não, não se estava a construir, apenas a cobrir o terreno, e embelezá-lo… Uns poucos ‘resorts’, umas piscinazitas, tanto dinheiro que se está a perder…”
Negócio altamente rendoso.
Na realidade parece haver muito empreendimento estrangeiro, internacional, altamente interessado no negócio.
Haverá autarcas que cedem ao canto da sereia?
Grande polémica no tempo de José Luís Judas em Cascais.
Que a Câmara contornou a lei, ou fechou os olhos.
O que terá de facto acontecido? Neste e nos outros casos todos, pelo País fora?
Esses verdejantes campos de Golf ...

Esses verdes campos de Golf …

Já houve quem visse “bolas de fogo” a serem lançadas por avionetas desportivas não identificadas.
Um material inflamável, como por exemplo o fósforo branco que é praticamente impossível de extinguir.

Ardeu a mata. Não era permitido construir em área que já foi floresta.
Obrigatório reflorestar…
Mas para isso ainda é preciso bastante.
E veio então aquela conversa insinuante:
“permite-se esse abandono, essa desolação, esse campo triste de raquíticas estacas em processo de plantação?”
E depois a “solução” proposta:
“Quanto não era melhor ver esses viçosos relvados que fazem a felicidade dos golfistas milionários que os percorrem…
Não, não se estava a construir, apenas a cobrir o terreno, e embelezá-lo… Uns poucos ‘resorts’, umas piscinazitas, tanto dinheiro que se está a perder…”
Negócio altamente rendoso.
Na realidade parece haver muito empreendimento estrangeiro, internacional, altamente interessado no negócio.
Haverá autarcas que cedem ao canto da sereia?
Grande polémica no tempo de José Luís Judas em Cascais.
Que a Câmara contornou a lei, ou fechou os olhos?
O que terá de facto acontecido? Neste e nos outros casos todos, pelo País fora?
Comentários 15 Comentar

Últimas


Pub