Anterior
Como vai funcionar o Impulso Jovem
Seguinte
Proença de Carvalho vai ser o chairman da Cimpor
Página Inicial   >  Economia  >   FMI quer receita contrária à alemã para a zona euro

FMI quer receita contrária à alemã para a zona euro

O Fundo Monetário Internacional pede ações concretas com vista à união bancária da zona euro.
O FMI defende que a crise agora exige "um esforço mais forte e coletivo"
O FMI defende que a crise agora exige "um esforço mais forte e coletivo" / Reuters/Ints Kalnis

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defendeu no seu relatório anual que a zona euro precisa de um caminho diferente daquele proposto pela Alemanha e Bruxelas, que só assenta na austeridade, sem levar em conta as consequências.

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, apresentou na quinta-feira as propostas do organismo e teceu duras críticas ao resgate da banca espanhola, sublinhando que as instituições com dificuldade financeiras deviam ser ajudadas diretamente através do fundo de resgate europeu, sem passar pelos Governos.

Lagarde apelou à União Europeia para optar pelo caminho inverso, com vista a combater a crise da dívida soberana e da dívida bancária, onde o Banco Central Europeu (BCE) deve ter um papel central.

A autoridade monetária europeia, defende Christine Lagarde, deve continuar a apoiar de forma efetiva a zona euro, através de políticas monetárias expansionistas "criativas."

A diretora-geral do FMI considera ainda ser vital um esforço coletivo e ações concretas no sentido de uma união bancária, face à crise aguda na zona euro.

União bancária e orçamental


"São necessárias medidas determinadas e contundentes para uma união monetária mais completa, especialmente no que se refere à união bancária e à integração orçamental, para conter a queda da confiança que está a ameaçar a região", pode ler-se no relatório anual do FMI de revisão da economia na zona euro.

Além disso, o FMI pede que o processo de consolidação orçamental se realize de maneira "decisiva" e que se avance com um sistema de supervisão comum e um sistema de garantia de depósitos.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub