1
Anterior
Kadhafi nunca nos tocou, diz enfermeira ucraniana
Seguinte
Primeiro não a deixam morrer, depois processam-na
Página Inicial   >  Blogues  >  Do outro mundo  >   Fiz mal em tentar salvá-lo. Devia tê-lo morto

Fiz mal em tentar salvá-lo. Devia tê-lo morto

|
Tommy Jenkins não gosta de ladrões

O homem, de uns trinta anos, jazia à beira da estrada ferido e a esvair-se em sangue. Quando um idoso que passava o viu naquele estado, parou e tentou ajudá-lo. Isto aconteceu há dias na zona ocidental de Sidney, Austrália.
    O idoso, Tommy Jenkins, ligou para a emergência e ficou ao pé do ferido enquanto a ambulância não chegava. Ia falando com ele, procurando dar-lhe coragem. A certa altura, viu-o revirar os olhos. Pegou então nele e esbofeteou-o, incitando-o a agarrar-se à vida. "És demasiado novo para morrer", gritou-lhe, acompanhando a frase por um epíteto.
    Mas para o jovem já não havia salvação.
    A seguir Jenkins teve uma surpresa. Informaram-no de que o homem tinha acabado de assaltar uma casa naquela zona e fora ferido pelo proprietário. Com raiva, exclamou que, se soubesse isso, não o teria ajudado. "Continuava a andar".
    Ou então, acrescentou, espetava-lhe outra faca.

Esfaqueado pelo dono da casa 



Jenkins tem 83 anos. A sua reação foi notícia nos jornais australianos, por ser tão explícita e direta, mas estará longe de exprimir um sentimento original seu. Outros habitantes da mesma área manifestaram-lhe logo apoio.
    Azzam Naboulsi, o assaltante morto, era bem conhecido da polícia, e devia aliás comparecer em tribunal na próxima semana. A sua carreira criminosa já ia longa.
    Desta vez teve o azar de assaltar uma casa onde havia alguém capaz e disposto a defender-se. Donald Brooke, o proprietário de 54 anos, estava na parte de trás da casa quando Naboulsi entrou com uma pistola taser. Na luta que se seguiu, atingiu-o com uma faca.
    Quando Naboulsi começou a fugir, Brooke ainda lhe terá gritado para voltar, pois estava muito ferido. Mas Naboulsi meteu-se no carro dirigido por um cúmplice que arrancou. Mais tarde saiu ou caiu do carro.

"Eu também sou pai"



A polícia ainda não decidiu se vai acusar Brooke, mas é provável que não. Quando ele deparou com Naboulsi, este já teria roubado dinheiro e três anéis,
    Quando ao sr. Jenkins, não se arrepende nada do comentário cruel que fez, mas apenas e só da sua compaixão inicial.
    E nem quando lhe falaram dos quatro filhos de Naboulsi que ficam órfãos ele se comoveu: "Eu também sou pai", disse. "Não é assim que uma pessoa se comporta".
    Explicou que, ao ver o homem ferido, julgara-o vítima de um assalto. A saber que afinal era o assaltante, "teria acabado com ele".
   


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Fiz mal em tentar salvá-lo
Diz o povo que quem diz a verdade não merece castigo. Por mais que nos custe é essa a opinião de muita gente. Todos estamos cansados dos assaltos e dos roubos e acima de tudo da conduta dos Tribunais perante este fenómeno e por arrastamento do comportamento na maior parte dos casos da policia, que por tal facto temos de entender tal comportamento.
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub