25
Anterior
O buraco sem fundo
Seguinte
Os cinco cavacos
Página Inicial   >  Blogues  >  Antes pelo contrário  >   Fica para os outros

Fica para os outros

Os cortes salariais tocam a todos os funcionários públicos. A todos não. Há uma aldeia gaulesa que se pode safar: o Banco de Portugal. Por ordem do BCE, que é firme com todos os Estados, mas amigo dos seus amigos.
|

O Banco de Portugal está a esquivar-se à redução dos salários dos seus funcionários. Diz que essas reduções têm de ser aprovadas pelo Banco Central Europeu. Porque o BCE manda implementar politicas de austeridade mas trata dos seus, pode ser que se safem. É que em vários países que estão a aplicar as medidas mais duras de cortes salariais os bancos centrais foram olimpicamente poupados. E, em geral, o BCE tem exigido que as reduções de salários dos governadores entrem apenas em vigor em novos mandatos. Tão lestos que são a cortar nos outros, tão seguros que são a prescrever estricnina aos pacientes europeus, tão rigorosos que são com os seus próprios direitos adquiridos.

Note-se que o Banco de Portugal não está a fazer nenhuma pressão para ser a primeira instituição pública a fazer os cortes, dando o exemplo do que aconselha aos demais. Está à espera que o BCE diga que não para ser poupado. E isto naquela que é, provavelmente, a instituição do Estado com os mais escandalosos privilégios. Aquela da qual muitos dos principais advogados da sangria salarial em todo o País recebem reformas pornográficas, por vezes resultado de passagens fugazes pelo Banco.

Esta é apenas mais uma história bem reveladora da verdadeira natureza desta crise. Uma história em que o sacrifício é sempre transferido para o vizinho de baixo. Porque esta crise não é apenas financeira. É ética. Aliás, se se lembram como isto começou, a primeira resulta da segunda.


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 25 Comentar
ordenar por:
mais votados
Ética e civismo
A ética não passa infelizmente de uma palavra para citar, mas que nunca é incorporada nos comportamentos dos dirigentes do Estado e de outras instituições públicas.

O problema ainda mais grave, quanto a mim, porque não é apenas falta de ética. É também falta de vergonha e de respeito pelos contribuintes.

O outro exemplo actual é o dos magistrados que, além de falta de ética, vergonha e respeito, ainda têm o prazer (só se pode entender assim) de gozar com os contribuintes e de admitir publicamente que interferem na política. E não vi quase ninguém da classe política a indignar-se ou a pedir medidas contra esta gente sem escrúpulos. Nem tão pouco jornalistas ou comentadores. Uns pequenos reparos e chega.

Será que não existe um código deontológico e de responsabilidade cívica que esta gente esteja a violar descaradamente? Que seja justa causa para despedimento ou, no mínimo, congelamento de carreiras?

Com tantos milhões de leis e de regulamentos, será que não existe uma norma que vigie esta falta de escrúpulos e que permita a aplicação de sanções exemplares?

Não acredito, mas se calhar, não há mesmo…
Re: Ética e civismo
È como se fosse uma "off shore"
Vitor Constâncio,ex-Governador do Banco de Portugal, sabia que o seu chorudo vencimento,estava protegido por esta espécie de off-shore,uma couraça à prova de qualquer crise nacional.Mesmo assim,deu à sola.antes que alguém se lembrasse desta mordomia.
São as "off-shore" Portuguesas,mesmo nas barbas dos discursos inflamados dos politicos de palanque.
Pobre Povo,que está na fila da sopa.
Re: È como se fosse uma
Barroso tratou da vidinha
Re: È como se fosse uma
Esta democracia
É rica em condimentos, então os exemplos esses é de bradar aos céus, pobre povo que continua a ser explorado.
Falavam dos outros, estes são bem piores.
É a Lei, ó Daniel Oliveira
O General Ramalho Eanes, tinha direito a uma certa reforma em acumulação. Provou-se em Tribunal, mas... ele prescindiu da dita por entender não ter ÉTICAMENTE, direito à mesma.

Ouvi eu - ninguém me contou - você no "Eixo do Mal", perante o elogio de outros, declarar que não considerava nada de elogioso, porque se ele tinha DIREITO, estava no seu DIREITO receber.

Talvez para evitar comentar a reforma acumulada com a da Assembleia da República por parte do seu candidato “é-preciso-é-mais-esquerda-Alegre”. Reforma que ele recebe por não trabalhar durante mais de trinta anos num organismo público. Organismo que, pelos vistos, sempre pagou para a Caixa. Quer dizer, NÓS sempre pagamos os descontos de Manuel Alegre.

Sim, acho mal que o BCE não permita a redução de salário no BP, mas o BCE – que eu saiba – ainda não disse nada.

Este texto, serviu só para realçar o seu “duplipensar”: numas coisas parece uma virgem escandalizada, noutras, o Legalismo sobrepõe-se.

Mas cada um, é como é…
Greve aos impostos por um ano !
Se o Povo deixasse de ser a carneirada que é, um rebanho submisso guardado por cães de fila dos banqueiros e dos políticos, em vez de andar aos berros nas ruas para os quais os governantes se estão nas tintas, deveriam é fazer greve aos impostos por um ano.
Isso sim, seria uma medida inteligente e que colocaria os políticos em sentido e atentos às necessidades do Povo num ápice.
Esta gente sem escrúpulos só conhece a linguagem do dinheiro. Tirem-lhe os euros e veriam como a maioria dos problemas se resolveriam.
Re: Greve aos impostos por um ano !
Re: Greve aos impostos por um ano !
Re: Greve aos impostos por um ano !
Re: Greve aos impostos por um ano !
Re: Greve aos impostos por um ano !
Tem toda a razão
E mais. O nosso ex-Governador ( "o piromano" ) enquanto lá andou a dormir foi responsavel por três incendios ( BCP, BPN e BPP ) e no fim foi premiado com a vice-presidencia do BCE. Devia é ter sido preso por dormir em serviço.
Concordo
Os que deviam dar o primeiro passo
não podem dar o último
Faz o que eu digo ...
e não o que eu faço!
Não é assim .... CHULOS!
Esta é aquela MÁXIMA:
- Somos todos iguais ,mas há uns mais iguais...
O Daniel é mesmo mau!
Então mas acha que estes queridos, habituados a um certo nível de vida merecem sofrer com a crise, sabe Daniel, estas pobres vítimas sofrem tanto ao terem que recomendar medidas austeras, imagino os apertos nos coraçõezitos... Eles fazem muito bem em tentarem escapar à austeridade, claramente não estão habituados, deixem isso para o povão, esse "burro de carga" que aguenta tudo!!!
Bota abaixo!
Estamos perante mais um dos textos ultimamente recorrentes em que se aponta o dedo a tudo e todos indiscriminadamente. Qualquer suposta "classe" que venha afirmar estar contra determinada medida é de imediato enxovalhada e objecto de todos os insultos. Pior, quem critica é frequente fazê-lo da forma demagógica que podemos ver neste texto, ou seja, ao invés de tentar perceber a razão desta ou daquela medida usa termos como "pornográfico", "privilégios" e outros do género. Já foram os professores, os funcionários públicos, os magistrados, agora são os do BdP, amanhã serão outros. Isto só leva a que estejamos sempre contra a "outra classe" desde que não seja a nossa. E independentemente do mérito e rigor do trabalho que os visados façam serão sempre apelidados de privilegiados por comentadores de baixo nível que mais não fazem do que dizer mal de tudo e todos. Já agora gostava de saber se o ilustre opinador também vai ver o seu ordenado cortado. Visto estar no privado estas medidas não se lhe aplicam, motivo para também podermos chamá-lo de privilegiado e afirmar que para si está tudo bem desde que não lhe vão à carteira. É demagógico? É. Injusto? Também. Pense nisso antes de criticar tudo e todos, especialmente quando não tem conhecimento de facto ou moral para o efeito...
Não somos todos iguais

Parece-me que não se tenha uma boa visão das classes pobres no mundo politico e não haja respeito pelas.

Por exemplo os amigos recebem privilégios de parte dos seus amigos e vice-versa.
Talvez valha o provérbio latino: "Do ut dês". Eu dou a fim de receber?
a pouco e pouco...
vão aparecendo as excepções. já foi a acumulação de vencimento público com a pensão para quem lá está, agora são os do BdP, a seguir quem sabe, os juízes? e tudo muito bem justificado a explicar aos pretos do costume porque é que só eles é que não têm direitos adquiridos.
Funcionário do Banco de Portugal.
Caro Daniel Oliveira,

Sou funcionário do BdP, técnico, e tal como os funcionários da Função Publica também tenho as costas largas.

Relativamente à questão ética garanto-lhe que acharia injusto e insensato não cortarem os salários do pessoal do BdP na mesma medida que o farão aos restantes trabalhadores do Estado. Mas ao mesmo tempo aproveito para o informar que a extensão de cortes de que tenho ouvido falar, nos corredores da instituição, está para lá do que é proposto na FP.

Quanto aos "escandalosos privilégios" de que fala, dou-lhe o exemplo de dois amigos meus, com formação e funções comparáveis à minha, que na ultima semana passaram por mim em belos AUDIs dados pelas empresas privadas em que trabalham. E nem sequer são pessoas que precisem de ir a clientes. Eu não tenho privilégios desses. Tenho um carro que paguei do meu bolso, já com 10 anos, e uma casa de duas assoalhadas nos suburbios.

Eu sei que o caro Daniel Oliveira é politico e como tal é natural que se dedique a estas politiquices. Mas para quê especular quando tem tantos assuntos concretos que merecem a sua indignação ?

Cumprimentos.
Demagogia!!
Vamos lá esclarecer os "jornaleiros" que opinam sem conhecimento de causa. O BP é uma centro de receita para o Estado e não um centro de custo! Trocando por miudos, o BP dá dinheiro ao Estado, não sorve dinheiro do Estado. Se a situação é de crise há que tratar o que está mal e não perturbar o que está bem, sendo o que está mal todas os "sorvedores" de dinheiro público, a saber: CP, TAP, AR, Empresas municipais, Autarquias, etc.. Deixo a seguinte pergunta: Se têm um filho que se porta bem e um que se porta mal, para que o que se porta mal mudar você castigaria o que se porta bem? O problema é que as opiniões neste país apenas visam a crítica destrutiva e não visam entender e melhorar!
Comentários 25 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub