20 de abril de 2014 às 1:37
Página Inicial  ⁄  Cultura  ⁄  Festival Queer Lisboa arranca hoje

Festival Queer Lisboa arranca hoje

Festival de cinema LGBT arranca hoje no Cinema São Jorge, em Lisboa. "Transgressão" é o tema da 15ª edição do Queer Lisboa.
Lusa
O filme 'Fuck Buddies', com Richard García Vázquez e Domingo Fernández faz parte do cartaz O filme 'Fuck Buddies', com Richard García Vázquez e Domingo Fernández faz parte do cartaz

O Queer Lisboa arranca hoje, no Cinema São Jorge, e conta com um nome português na competição: Pedro Barão, com a curta metragem "Vibratum Vitae".

Em declarações à agência Lusa, o realizador explicou que tentou, com esta curta de ficção, "fugir um pouco àquelas temáticas que são abordadas constantemente neste tipo de festivais de cinema" de temática LGBT (lésbica, gay, bissexual e transgénero).

"Vibratum Vitae" tem "personagens que por acaso são gay, mas que podiam ser heterossexuais também", realça, considerando, porém, que a etiqueta LGBT não é "necessariamente" prejudicial para o cinema, "se bem que pode também rotular um pouco e deixar algumas pessoas reticentes em irem assistir a esse tipo de filmes".

Pedro Barão atribui "muita importância" ao Queer Lisboa "na divulgação da cultura LGBT", dando "visibilidade" a esta comunidade, ao mesmo tempo que "tenta mostrar um bocadinho para além do estereótipo".

"Vibratum Vitae" (2011) - que aborda a separação entre dois homens e a sua intimidade - vai estrear-se no Queer, no dia 23, às 19h30, no Cinema São Jorge. Pedro Barão, que nasceu em 1988 e realizou a curta metragem "Culpa" (2009), pretende inscrever "Vibratum Vitae" em festivais, em Portugal e no estrangeiro.

Em conversa com a Lusa quando o programa da 15.ª edição do Queer Lisboa foi apresentado, Pedro Marum, da organização do festival, reconheceu que a nível internacional "não é muito difícil" encontrar filmes, mas já selecionar obras nacionais que abordem esta temática "é um bocado mais complicado".

Queer Lisboa "não é apenas um festival gay e lésbico"


A 15.ª edição do Queer Lisboa arranca hoje, às 21h, com uma performance do grupo de teatro madrileno Sudhum, responsável pelo espetáculo de teatro físico "Silenciados", que vai ser apresentado no sábado e domingo, às 21h, e a projeção de "Uivo" (EUA, 2010), um retrato do escritor beat Allen Ginsberg, de Rob Epstein e Jeffrey Friedman, que se estreará nas salas portuguesas a 22 de setembro.

O festival de cinema LGBT, que decorre até 24 e tem como tema central a transgressão, integra 84 filmes. O número de espetadores do festival "tem aumentado ligeiramente", tendo rondado as oito mil pessoas na última edição, segundo a organização.

"As pessoas já começam a aceitar o Queer não apenas como um festival gay e lésbico, mas como um festival de cinema (...), o que se reflete no aumento de público e no tipo de público que frequenta o festival", considera Pedro Marum.

O Queer Lisboa prescindiu este ano do apoio da Embaixada de Israel, de que beneficiou em 2009 e 2010, após uma campanha de ativistas que apelaram ao boicote a todas as iniciativas que envolvam o Estado judaico, com o objetivo de denunciar a "contínua violação" do direito internacional e dos direitos do povo palestiniano.

Em reação à recusa do Queer, o embaixador de Israel em Lisboa, Ehud Gol, disse, numa nota enviada à agência Lusa: "Não poderia ter ficado mais indiferente em relação a essa decisão."

Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Queer
Já há uns anos que não vou ao Festival Queer, porém não posso deixar de o recomendar.

O cinema é um meio magnífico (aliás, como a literatura) para nos aproximarmos dos outros, para que conheçamos culturas, estilos de vida, etc. diferentes dos nossos. E, também, para quebrar preconceitos.

A Sigourney Weaver protagonizou um filme, "Prayers for Bobby", que narra o percurso de uma mãe americana, fanaticamente religiosa, que descobre a homossexualidade do filho. Sem querer revelar muito sobre a narrativa, posso acrescentar que durante o filme se assiste a uma mudança radical na forma de pensar, de sentir e de se relacionar com aqueles que são diferentes e que muitos julgarão impossível.

A história é verídica e a mulher retratada foi uma das grandes impulsionadoras do PFLAG (associação americana de pais, familiares e amigos de homossexuais, bissexuais e transexuais).
... Tolerância
Aproveitando uma passagem por Lisboa, hoje, à hora do almoço, fui ao S. Jorge assistir a um dos Concertos à Hora do Almoço patrocinados pela respectiva Câmara Municipal.

À entrada do ex-cinema já se vendiam bilhetes para este 'festival' de temática ????. Bem, poderia ser sobre temática maoísta ou astrológica, que para mim seria a mesma coisa. O que se me revelou relevante foi o pouco pejo que os preparadores do 'festival' do 'pato' demonstraram para com as Quatro Estações de Vivaldi que se tocava no foyer, irrompendo por várias vezes ruidos preparativos no piso inferior. Nas pequenas coisas é que se vê a classe das pessoas, especialmente quando pertencem a uma franja que exige dos outros...
Re: ... Tolerância Ver comentário
ERRATA Ver comentário
Re: Festival Queer Lisboa arranca hoje
Confesso que tanta discriminação positiva me faz, por vezes, sentir mal por não ser parte de uma minoria qualquer.

Acho que devia haver festivais para defender a causa dos casais jovens, com filhos pequenos, empreendedores, não devedores à banca, com as contas ao fisco em dia e que não estacionam em lugares reservados para pessoas com mobilidade reduzida. É que dá uma trabalheira do caraças e é difícil!! E em contra-ponto, temos alguns ladrões que de repente até passam a receber honras de estado. Filhas-da-putice, é o que eu digo..
Re: Festival Queer Lisboa arranca hoje Ver comentário
Re: Festival Queer Lisboa arranca hoje Ver comentário
Ah, esqueci-me... Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub