15 de setembro de 2014
Página Inicial   >  Opinião  >   Fernando Madrinha

Difícil é cumprir

 | 
António José Seguro preparou-se bem para os debates televisivos que tanto pediu. Andou durante dois meses a chamar traidor e desleal ao adversário, tornando inevitável o desafio para o fazer "olhos nos olhos", como gosta de dizer. Conseguiu. E viu-se-lhe a satisfação no rosto. O líder que soube anular-se para manter o PS unido, mostrou o "animal feroz" que havia em si e de que ninguém suspeitava antes de ter sido desafiado. Soltou-o no primeiro frente a frente, deixando o adversário zonzo e a engolir em seco.   

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Sarar as feridas

 | 

Quem ganhar no dia 28 ganha apenas meio PS.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Maria Luís

 | 

Passos atravessou-se por ela e não tem motivos para se arrepender.

 

 


Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

A sul nada de novo

 | 

Os nostálgicos do Pontal ficaram desapontados com o discurso de Passos Coelho porque não foi mobilizador nem apresentou propostas inovadoras. Houve até quem visse na intervenção do líder do PSD sinais de desistência e de desinteresse pessoal nas eleições do ano político que agora começa. Como se Passos, tão satisfeito consigo próprio por ter salvado Portugal da bancarrota, não se importasse de perder. 

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Sobre a (des)confiança

 | 

Na interminável novela em que se tornou o caso BES, com os seus danos colaterais, há uma palavra que se repete em todas as discussões: confiança. Ou a falta dela. A confiança que merece ou não o sistema bancário, a confiança que deve ou não merecer o Banco de Portugal enquanto supervisor, a confiança dos mercados no Novo Banco - "lixo" e da pior espécie, disse uma das famosas agências de rating -, a confiança que falta numa solução, não apenas condicionada, mas, afinal, imposta sem apelo nem agravo pelo Banco Central Europeu, a confiança nos agentes políticos do Governo e da maioria quando juram a pés juntos que a delicadíssima operação não comporta risco nenhum para os contribuintes. Ou a confiança em que a Justiça se digne, por uma vez, cumprir o seu papel em tempo útil.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

 

PS, BdP, PQP e BES

 | 

Sem o contributo de Pedro Queiroz Pereira talvez o desastre do BES tivesse sido uma catástrofe.

 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

  

Estava tudo tão bem...

 | 

Uma das ideias mais marteladas desde que os Espíritos Santos caíram nas bocas do mundo foi a de que o GES estava mal, mas o BES estava bem.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

O vexame

 | 

Há um ano e meio, Ricardo Salgado foi ouvido na qualidade de testemunha, tendo-se apresentado "voluntariamente", como mandou dizer, para esclarecer as suspeitas de envolvimento numa gigantesca rede de fuga ao fisco e branqueamento de capitais que leva o nome de 'Monte Branco'.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Ninguém vai preso

 | 
Todos os dias nos dizem que a queda do império Espírito Santo não tem nada que a compare ao caso BPN e, se tanta gente sabedora o declara, somos tentados a acreditar. 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

O banco verde

 | 

Três anos a penar para o país se financiar nos mercados e estamos em risco de voltar ao ponto de partida

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

 

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub