18 de dezembro de 2014
Página Inicial   >  Opinião  >   Fernando Madrinha

O primo mau e o primo bom

 | 

Salgado aparece como o único vilão da história, mas ela é demasiado complexa para ter apenas um.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

As contas de Costa

 | 

Costa saiu do Congresso com o partido numa mão e uma estratégia arriscada na outra.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

A dúvida

 | 

Não se pode criticar a Justiça por não afrontar os poderosos e criticá-la quando entende fazê-lo.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Uma regalia absurda

 | 

As subvenções vitalícias para os ex-políticos já eram um privilégio absurdo antes da crise e foi com base nessa evidência que a Assembleia da República aprovou a sua extinção no tempo de José Sócrates. A decisão não prejudicou quem já as recebia, nem beliscou as "legítimas expectativas" dos que, estando ainda em funções, haviam adquirido esse direito à luz do anterior quadro legal. 

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Costa, em concreto

 | 

Costa faz bem em resistir à pressão para assumir compromissos antes de saber se os pode cumprir.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Merkel disse o óbvio

 | 

A prova de que temos licenciados a mais é que os exportamos a baixo preço.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Primeira promessa

 | 

Com a ameaça de não repor os salários da função pública, Passos inventou um eleitoralismo de novo tipo.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Qual é a pressa?

 | 

Desde o 25 de Abril, houve 13 eleições legislativas, oito das quais na segunda metade do ano, incluindo uma no tardio mês de dezembro. Dessas, seis realizaram-se em setembro e outubro, porque, salvo nos casos em que a legislatura seja interrompida por algum motivo, é isso que manda a lei eleitoral: "No caso de eleições para nova legislatura, essas realizam-se entre o dia 14 de setembro e o dia 14 de outubro do ano correspondente ao termo da legislatura." 

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

À espera de 2016

 | 

Passos é o fanático orçamental que, em ano de eleições, tenta passar por outra coisa, mas não consegue.

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

O diagnóstico de Cavaco

 | 

O Presidente da República fez um diagnóstico certeiro das doenças do regime, alertando para os principais vícios que o descredibilizam, bem como para os perigos que o ameaçam, incluindo, disse, o de uma "implosão" do sistema partidário. Cavaco Silva não se excluiu a si próprio, visto que falou da insatisfação dos portugueses com a forma como as instituições democráticas têm funcionado e o Presidente é uma delas, por sinal, no topo do sistema. Mas poupou-se a qualquer palavra de vaga autocrítica, ou de striptease político, para usarmos o termo inglês em voga. 

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

 

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub