Siga-nos

Perfil

Expresso

FB Instant Articles

DGArtes: líder parlamentar do PCP alerta para risco de liquidação de estruturas

João Oliveira alerta para a possível "liquidação" do Centro Dramático de Évora (Cendrev) e de outras estruturas, por ficarem de fora do programa de apoio sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes)

"Sem orçamento e com as atuais regras e o atual modelo de financiamento às artes, o caminho que está a ser seguido levará à liquidação, em alguns casos, de estruturas com dezenas de anos de trabalho artístico", afirmou.

O deputado do PCP eleito pelo círculo de Évora disse que o Cendrev "fica com zero euros de apoio", o que, caso os resultados dos concursos se mantenham, "significará a liquidação de uma estrutura que tem 40 anos de trabalho teatral, numa região como o Alentejo".

"Mas o mesmo pode dizer-se de outras capitais de distrito, como em Coimbra, em que não há uma única estrutura do teatro com apoios", acrescentou. O presidente da bancada comunista falava à agência Lusa, no final de uma reunião com estruturas de criação artística e programadores culturais do distrito de Évora, que decorreu nas instalações da União de Freguesias de Évora.

O encontro, frisou o parlamentar, juntou estruturas que não tiveram apoios por não serem consideradas elegíveis, mas também as que, tendo sido consideradas elegíveis, não obtiveram apoios e outras que obtiveram um apoio apenas parcial.

"Há unanimidade nas críticas que são feitas, não apenas ao modelo do concurso, às regras que foram sendo alteradas no decurso do próprio prazo para a apresentação das candidaturas, na forma como são avaliadas diferentes candidaturas e aos critérios que, sendo utilizados para umas, não são utilizados para outras", notou. João Oliveira lembrou que o partido já questionou o Ministério da Cultura sobre os resultados dos concursos de apoios às artes e requereu a audição urgente do ministro, adiantando que vai levar "um conjunto de preocupações que resultam do contacto com criadores do distrito de Évora".

De acordo com os resultados provisórios do Concurso ao Programa de Apoio Sustentado 2018-2021 da Direção-Geral das Artes (DGArtes), comunicados aos candidatos, e a que a agência Lusa teve acesso, 50 candidaturas das 89 avaliadas na área do teatro deverão receber apoio estatal, deixando de fora várias estruturas que tiveram apoio no passado. De fora do concurso, fica o Teatro Experimental de Cascais, duas companhias profissionais com sede em Coimbra - O Teatrão e Escola da Noite -, o Centro Dramático de Évora (Cendrev), o Teatro das Beiras, da Covilhã. Igualmente excluídos estão o Teatro Experimental do Porto, a Seiva Trupe, o Festival Internacional de Marionetas e o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), também do Porto, e o Teatro de Animação de Setúbal, entre as 39 estruturas e projetos que ficam sem financiamento.

Entre as companhias mais apoiadas do programa, segundo os resultados provisórios, estão o Teatro Praga, a Companhia de Teatro de Almada, os Artistas Unidos, O Bando, o Teatro do Noroeste, a Companhia de Teatro de Braga, a Companhia de Teatro do Algarve (ACTA), a Comuna - Teatro de Pesquisa e o Novo Grupo - Teatro Aberto.

Teatro do Elétrico, Teatro Extremo, Ar de Filmes, Este - Estação Teatral, Companhia de João Garcia Miguel, Teatro Art'Imagem, Mala Voadora, Comédias do Minho, Teatro da Garagem, Teatro Meridional, Teatro do Bolhão, Teatro da Rainha, Escola de Mulheres, teatromosca estão entre outras estruturas apoiadas.

O CENA-STE, Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos, a Rede - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, a Plateia - Profissionais Artes Cénicas, e o Manifesto em Defesa da Cultura, num comunicado conjunto divulgado no sábado, anunciaram que vão decorrer ações de protesto na próxima sexta-feira, em Lisboa e no Porto, "na sequência dos resultados dos concursos de apoio às artes da DGArtes".O CENA marcou já uma conferência de imprensa para terça-feira, pelas 20:30, e uma concentração em frente ao Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, na próxima sexta-feira, para exigir a criação de um novo modelo de apoio às artes.