0
Anterior
Procuram-se crianças que sobreviveram ao Holocausto
Seguinte
Quem são? Que fazem aqui?
Página Inicial   >  Blogues  >  Museu Virtual Aristides de Sousa Mendes  >   Falou-me furioso!

Falou-me furioso!

Dois amigos falam a propósito das greves nos Estados Unidos e em Portugal.

|
Estação do Rossio (anos 40)
Estação do Rossio (anos 40) / Arquivo Municipal de Lisboa - Fundo: Manuel Tavares

Pequeno excerto da rubrica "Crónica da Cidade" escrita, em 20.09.1943, pelo repórter A da revista "A Esfera" - revista portuguesa de actualidades internacionais:

"O Rossio continua a ser o cartaz buliçoso desta capital. Ali se vê de tudo, tudo ali passa, tudo ali se agita, tudo palpita no Rossio.

Encontrei lá, há pouco tempo, o meu amigo Jerónimo. Ao tempo eu não o via! Está mais gordo e mais terrível. Falei-lhe e ele falou-me. Mas falou-me furioso. Acabava de ler no "Diário de Lisboa" (isto no dia 27 de Agosto) uma notícia com o seguinte título:

"Conflitos de trabalho nos Estados Unidos".

Era a notícia de que 4.000 empregados das Fábrica de Aviação de Johnsvillage tinham declarado greve, prejudicando assim a normal produção de guerra americana.

Dei razão ao meu amigo Jerónimo. Não há direito de fazer greve, prejudicando a normalidade de uma nação.

Mas depois do meu amigo ter falado assim e de se despedir, a correr, para ir apanhar o carro eléctrico, lembrei-me de que ele não protestou contra outros conflitos de trabalho que também prejudicavam a vida normal doutra nação - a nossa - e até achou natural o facto.

Porque seria? Estou à espera de voltar a encontrar o meu amigo Jerónimo para lhe perguntar se o que é crime num lado não o é, igualmente, noutro."

Fonte: "A Esfera", nº 75 de 20 de Setembro de 1943. Colecção particular de Tiago Miranda Neiva

O repórter deve-se estar a referir à vaga grevista que em Julho e Agosto de 1943 alastrou em Portugal, nomeadamente, as greves rurais realizadas no Ribatejo e arredores de Lisboa onde se registaram, face à escassez de géneros, diversos "tumultos" e ao movimento grevista operário, que atingiu Almada, Lisboa, Seixal, Barreiro, Amora, etc. A dimensão foi tal que o Governo decidiu fechar as fábricas. Realizaram-se manifestações e, na sequência de confrontos com as forças policiais, foram efectuadas várias prisões. A 5 de Agosto a vaga grevista (cerca de 50.000 grevistas) é dada como terminada.

Na conjuntura destas greves "é criada a Intendência-Geral de Abastecimentos, tutelando a burocracia encarregue do circuito de bens essenciais, da produção ao consumo. "Longe de clarificar e simplificar os processos, a Intendência-Geral de Abastecimentos (...) viria agravar demoras, confusões e duplicações numa conjuntura alimentar já de si muito grave." (ROSAS, Fernando, O Estado Novo (1926-1974), sétimo volume, José Mattoso (dir) História de Portugal).

Fonte: Fundação Mário Soares

Clique para visitar o museu
MUSEU VIRTUAL
ARISTIDES SOUSA MENDES

Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub