Anterior
Coreia do Sul: 40 polícias feridos em protesto contra comércio livre ...
Seguinte
Camané: distinção do Fado trará maior divulgação
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Fado é Património Imaterial da Humanidade (vídeo)

Fado é Património Imaterial da Humanidade (vídeo)

A UNESCO reconheceu o Fado como Património Imaterial da Humanidade, numa candidatura "exemplar" que teve Mariza e Carlos do Carmo como embaixadores. (Vídeo SIC no fim do texto)
"O Fado" (1910), do pintor José Malhoa

O fado é Património Imaterial da Humanidade segundo decisão hoje tomada durante o VI Comité Intergovernamental da Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura - UNESCO).

O antigo presidente da Câmara de Lisboa Pedro Santana Lopes lançou a ideia de candidatar o fado a Património Imaterial da Humanidade e escolheu os fadistas Mariza e Carlos do Carmo para embaixadores da candidatura.

A candidatura foi aprovada por unanimidade pela Câmara de Municipal de Lisboa no dia 2 de maio de 2010 e apresentada publicamente na assembleia Municipal, no dia 1 de junho, tendo sido aclamada por todas as bancadas partidárias.

No dia 28 de junho de 2010, foi apresentada ao Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e formalizada junto da Comissão Nacional da NESCO. Em agosto desse ano, deu entrada na sede da organização, em Paris.

A candidatura portuguesa foi considerada como exemplar pelos peritos da UNESCO, tal como o Paraguai e Espanha.


Clique no vídeo SIC para ver o momento da decisão




Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 68 Comentar
ordenar por:
mais votados
Não se trata de uma questão de gosto
É correcto afirmar que faz parte do nosso ADN só reconhecermos o que temos de bom após o reconhecimento externo. Talvez, esse tal genoma não existisse antes do "orgulhosamente sós" que nos levou a suspirar por tudo o que fosse estrangeiro. Mas, desde Amália, passando pelos Madredeus, pela Brisa, etc. parece que estes homens, mulheres e empresas lusos só foram devidamente reconhecidos por cá depois de terem sido louvados por lá.

Quanto ao fado, não se trata de gostar ou não gostar. Trata-se apenas de reconhecer que é um estilo musical (como tantos outros, é certo) que identifica a nossa nação e que serve muito bem o papel de embaixador.

Ana Moura, elogiada pela sua actuação na passada sexta-feira pelo jornal italiano Corriere della Sera deste passado sábado, diz que o fado sempre foi património da humanidade: Ao longo dos últimos anos, tenho tido a sorte de viajar pelo mundo todo e perceber o carinho que diferentes raças, religiões e culturas nutrem pela nossa canção. Por isso, arrisco-me a dizer que o Fado sempre foi património da Humanidade".

Concordo em absoluto com ela.
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Re: Não se trata de uma questão de gosto
Fado é Património Imaterial da Humanidade
Parabéns ao Fado Parabéns a Portugal e a todos os portugueses que concorreram para esta vitória. Felizmente, ou finalmente aqui temos uma noticia que deve deixar feliz todos os portugueses, independente das suas ideologias políticas, mesmo aqueles que não apreciem o Fado.

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...

Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Re: Fado é Património Imaterial da Humanidade
Fado: Uma boa bandeira, embora que não nacional
Não sou um especial apreciador do fado.

O fado não me diz muito, a não ser quando a voz empresta todos os encantos. Mas isso acontece também com outros géneros musicais...

Mas considerar o fado a canção de Portugal (como alguns querem fazer querer), é algo que nunca concordarei.

Felizmente a UNESCO considerou o fado património imaterial da humanidade. Estamos de acordo e fico contente.

O fado é uma costela deste povo, não o seu corpo.

Aliás, o fado é regionalmente localizado, por isso nunca deve ser considerado uma expressão nacional, tal como não o é o fado de Coimbra.

Nesta alegria de termos mais uma bandeira, convém haver algum discernimento.
Re: Fado: Uma boa bandeira, embora que não naciona
Re: Fado: Uma boa bandeira, embora que não naciona
Re: Fado: Uma boa bandeira, embora que não naciona
Re: Fado: Uma boa bandeira, embora que não naciona
o nosso fado
O nosso fado é a maioria da população portuguesa só ter património imaterial... (just kidding).
Parabéns à organização.
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Re: o nosso fado
Folclore
Sempre gostámos muitos destas touradas, a armar ao zé malandro.

Um lamento de marginais, com histórias de infidelidades e prostituição, com malandrecos de navalha e aí está todo o povinho babado.

Pode ser algum troiko se comova e faça um descontozinho.....
Re: Folclore
Re: Folclore
Re: Folclore
Não podia ter sido escohida melhor altura para o
fado ter sido escolhido patrimonio imaterial da humanidade, dada a tristeza que nos invade a alma...
tamos safos
acabou-se a crise
Parabéns
Algo que nos enche de orgulho. Somos ou não somos bons? Importamos ou não neste mundo?
Agora, RETOMAR CANDIDATURA DE LISBOA

Afinal Santana Lopes , na CML, tinha VISÃO ESTRATÉGICA !!!

Impõe-se RETOMAR a candidatura de Lisboa a Património Mundial.

Não só da Baixa Pombalina mas de toda a ZONA HISTORICA DE LISBOA

Além de desenvolver o TURISMO CULTURAL, em época de crise que continuara, como de SALVAGUARDA dessa zona, alvo do apetite insaciável dos especuladores, arquitectos sem ética, construtores, etc.

Vale a pena pensar grande e acabar com os nossos COMPLEXOS DE INFERIORIDADE

E também, agora, a CML deve classificar as poucas tabernas , cafés, casas onde se cantava outrora o FADO, e as casas onde nasceram a Severa, Amália etc

VIVA O FADO e a MÚSICA TRADICIONAL PORTUGUESA !!!!!
Re: Agora, RETOMAR CANDIDATURA DE LISBOA
Fado, sina.....
Ora aqui está a chancela que nos faltava para pôr em cima do "bolo"!
Fado só rima com português porque a nossa vida é mesmo um fado, embora nas palavras do Camané, seja um sentimento da realidade lisboeta.
Ser reconhecido é melhor do que não ser (seria frustrante), mas é sempre chocante estar submetido a comissões de avaliação e a interesses inconfessáveis e ainda a uma poderosa máquina de marketing que vá- se lá saber por quanto ficou aos portugueses.
Agora as casas de fado já podem tirar partido desta honraria e cobrar mais uns cobres....
Como tudo na vida também este galardão será efémero e daqui a uns tempos já ninguém se lembra disso!
Seja como for, Parabéns a todos que estiveram a ele ligados.
Já era património de uma parte da humanidade..
... constituída pelas pessoas tristes, saudosistas, tradicionalistas e até por marialvas! Agora é património de toda a humanidade. Incluindo eu que não gosto de fado ... futebol e fátima :-)

Mas está muito bem. Até dá jeito, num altura em que o mundo ocidental está a sair de uma ressaca de euforia consumista! Talvez ajude um pouco "o pessoal" a aceitar com mais resignação os enormes sacrifícios que se avizinham!
El sonido silente.
El sonido
candoroso, el
tierno pasado
que canta en
el sol regalando
una rima.

Francesco Sinibaldi
Hum...
Sem dúvida que é. É o sentimento de um povo e quanto a isso nem discuto, porque sou músico e adoro o fado, mas nesta hora temos que guardar em casa as guitarras e as violas e tentarmos instrumentos mais fortes, tais como trombetas, trompetes e toda a parafernália que uma banda nos dá e, a compasso binário, acordarmos as pessoas para o embalo em que estamos metidos com o ladro-políticos.
http://www.youtube.com/wa...

Re: Hum...
Re: Hum...
O fado dos mentecatos
Fico perplexo com a mesquinhez de todo este alarido. O fado fez o seu caminho, foi música de regime, hibernou durante os primeiros anos da democracia e rejuvenesceu nas últimas décadas, tudo num processo natural de maturação. Ao ver esta arruada de mentecatos
mendigar o reconhecimento de um valor nacional, uma mais valia da nossa alma que é uma válvula de escape às nossas frustrações, aos nossos receios e uma manifestação sublime da nossa idiossincrasia, tenho arrepios de nojo, porque este povo não acredita nos seus próprios valores e recorre incessantemente ao reconhecimento alheio. Somos um povo de mendicantes, já o fizemos com o “euro 2004” onde quisemos o reconhecimento do mundo relativamente à nossa capacidade de organização, o que ganhámos com isso foi o escárnio universal quanto à nossa capacidade de endividamento. O fado tem uma matriz hermética, está intrinsecamente associado à saudade, à nostalgia de um povo confinado ao mar, sem escapatória que não seja a procura de soluções sempre novas para a sua sobrevivência. Entregar a chave deste desfecho ao reconhecimento alheio é no mínimo antipatriótico (se bem que esta palavra não conste no meu léxico). O fado deveria ser o nosso orgulho e não o nosso logótipo.
Faço minhas estas palavras
Parece que o fado ficou entre os sete candidatos finais à distinção de Património Oral e Imaterial da Humanidade, certificação distribuída pela importantíssima UNESCO. Não é excitante? Para as "personalidades" responsáveis pela candidatura, que passam férias pagas em Bali onde o comité da UNESCO se reúne por estes dias, claro que sim. Para a embaixadora da candidatura, a fadista Mariza, também.
(...)
Ninguém sabe o que é o jazz, perdido nas brumas da memória por não integrar o Património Oral e Imaterial da Humanidade. Mas toda a gente conhece a música das trombetas transversais da comunidade Tagbana, que consta do Património. Ninguém se lembra do tango, mas o Nha Nhac vietnamita consta do Património e é familiar a qualquer criatura. Ninguém faz ideia do que sejam o samba ou a bossa nova, mas a música ritual do Santuário de Jongmyo consta do Património e é freneticamente consumida pelas massas.
(...)
no fundo, a lista da UNESCO distingue a produção cultural dos povos e dos países culturalmente abonados (tipo Bolívia, Guatemala, Bangladesh, Quirguistão e a África em peso) das sociedades artisticamente estéreis (a americana, a britânica, a alemã e, grosso modo, as ocidentais). De um lado, a pujança criativa; do outro, o vazio. Se houver justiça na Terra e em Bali, não custa perceber em que grupo acabará Portugal. Nem que fado é o nosso. Agora todos juntos como na ONU: tudo isto existe, etc.


Alberto Gonçalves, hoje no DN
Opiniões
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Re: Faço minhas estas palavras
Comentários 68 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub