23 de abril de 2014 às 15:32
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Estado vai poder emitir Bilhetes de Tesouro até aos 18 meses

Estado vai poder emitir Bilhetes de Tesouro até aos 18 meses

O Estado português vai poder realizar emissões de dívida de curto prazo com maturidades mais alargadas.

Portugal vai poder emitir Bilhetes de Tesouro de curto prazo com maturidade até aos 18 meses, de acordo com o decreto-lei hoje publicado em Diário da República.

Com esta medida, o Estado passa a poder, a partir de terça-feira, realizar emissões de dívida de curto prazo com maturidades mais alargadas (atualmente o limite máximo era de 12 meses).

De acordo com o Governo, esta medida contribuirá "para uma melhor perceção dos investidores quanto à capacidade de a República Portuguesa recuperar a capacidade de acesso a financiamentos de médio e longo prazo em mercado no próximo ano".

Dívida com um prazo mais longo


Isto porque, explica, desde a celebração do Programa de Assistência Económica e Financeira, as operações de financiamento da República no mercado estão circunscritas a emissões de Bilhetes do Tesouro.

Desde que Portugal pediu assistência financeira ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e à União Europeia (UE) que a estratégia de emissão de dívida tem passado pela emissão de Bilhetes do Tesouro, na sua grande maioria a três meses, mas também com algumas emissões intercalares a seis meses.

Só em 2012 Portugal voltou a recorrer a dívida com um prazo mais longo e apenas por duas vezes, com a emissão de Bilhetes do Tesouro a 11 e 12 meses, uma vez que as necessidades a médio e longo prazo estão a ser asseguradas pelo empréstimo de 78 mil milhões de euros das entidades internacionais.

 


 

Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Não será perigoso....
... ultrapassar o "prazo-chapéu" da intervenção da Troyka.

É que, como bem sabemos, apesar da propaganda em contrário, os efeitos positivos da acção do actual Governo, pelo menos até ao presente são ZERO.

Claro que não era fácil mas, com populismo demagogo e ultra-liberal seguramente que não vamos a aldo nenhum.

Por isso, "arriscar" uma "nega" dos mercados parece-me demasiado arriscado neste momento.....
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub