2
Anterior
Muita parra, pouca uva
Seguinte
Aviso por causa da moral
Página Inicial   >  Opinião  >  Inês Pedrosa  >   Estado de emergência

Estado de emergência

Para que há-de um homem separar-se, se pode ter e fazer tudo?
|

Devia ser o bê-à-bá da educação, a primeira coisa a ensinar-se a uma criança no jardim infantil: o amor existe. Existe e manifesta-se, antes e depois de tudo, pelo respeito. Respeito pelas ideias do outro, pelo corpo do outro, pela liberdade do outro. O corpo de uma mulher vale tanto como o corpo de um homem. Esta ideia de igualdade efectiva é muito importante, porque a sacralização da mulher através da maternidade tem potenciado a violência sobre as mulheres: as que não são santas serão inevitavelmente galdérias, e basta uma mulher sorrir para o lado para se desequilibrar do pedestal de santidade. Este conceito atravessa praticamente todos os discursos, mesmo os dos pretensamente democráticos e esclarecidos: aqueles que defendem que deve haver mais mulheres na política para elevar o nível ético da sociedade (porque elas seriam mais "sensíveis", "humanas", "dedicadas" ou disparates semelhantes) admitem implicitamente que o "dever-ser" é diferente para homens e mulheres. Os que diziam que Margaret Thatcher era "um homem de saias" ou os que definem carinhosamente as suas filhas como "marias-rapazes" contribuem para a manutenção da violência sobre as mulheres: o paternalismo é o primeiro e o último degrau, infiltra-se na cabeça das pessoas diminuindo-as, classificando-as como agressores ou vítimas. A condescendência com estes princípios, a pretexto de que a mudança das mentalidades é lenta, é a principal responsável pela situação trágica que vivemos em Portugal: só este ano (e até 14 de Dezembro, o dia em que escrevo) foram assassinadas pelos homens a quem tinham entregue o seu amor quarenta mulheres.

Cada uma destas mulheres mortas representa pelo menos quatrocentas outras que ainda não morreram mas são espancadas, humilhadas, vigiadas, aterrorizadas diariamente. Muitas delas não têm ainda sequer vinte anos: segundo dados da UMAR ( União de Mulheres Alternativa e Resposta), revelados numa reportagem da "Visão" de 9 de Dezembro, 28% das raparigas entre os 11 e os 18 anos já sofreram algum tipo de violência. "Se não és minha, não és de mais ninguém", disse o namorado de Stephanie, antes de a matar à facada, em Albufeira. Por que aceitam as raparigas esta prepotência? Porque aprenderam a desvalorizar-se e extasiam-se de espanto quando um rapaz parece fazer delas o centro da sua vida. Porque foram ensinadas a perdoar e qualquer excerto de flor as comove. Porque foram educadas a contentar-se com pouco. Todas as mulheres são educadas assim, o duplo padrão continua com o mesmo vigor de há cem anos. As mulheres que tomam a decisão de se separar ouvem frequentemente aos maridos: "De que te queixas? Eu nunca sequer te bati". Que sejam as mulheres, em mais de 80% dos casos, a tomar a iniciativa do divórcio, diz muito do estado discriminatório em que ainda vivemos: para que há-de um homem separar-se, se pode ter e fazer tudo?

As campanhas de alerta, por mais inteligentes e bem-intencionadas, não resolvem, antes agravam o drama: são como sangue à vista num mar de tubarões. O que resolveria, antes de mais, seria a prevenção: Maria Olívia, de 31 anos e com dois filhos adolescentes, a quadragésima mulher, tinha apresentado três queixas à PSP - três queixas sucessivas - contra o ex-companheiro que a matou com quatro facadas no peito, no início deste mês, quando ela limpava uma cabina telefónica da estação de comboios da Reboleira, onde trabalhava como empregada da limpeza. O pai acompanhava-a diariamente ao trabalho, para a proteger, "porque ela tinha muito medo de morrer", como explicou ao "Correio da Manhã". Tinha boas razões para ter muito medo de morrer: assim não o entendeu a polícia, à qual ela recorreu insistentemente antes de ser morta. Por cada Maria Olívia que é morta depois de ter visto as suas queixas desprezadas, muitas outras desistem de se queixar. Quase todas as mulheres assassinadas tinham apresentado queixa à Justiça - e essa queixa apenas serviu para acelerar a sua morte, porque os agressores, mesmo quando chamados pela polícia, são imediatamente libertados pelos tribunais, com um sortido de ralhetes, bons conselhos e apresentações periódicas. Portugal ensina as mulheres a amar e a sofrer a fundo perdido. E abandona-as, pura e simplesmente, às mãos dos homens que as destroem como brinquedos gastos.

Inês Pedrosa escreve de acordo com a antiga ortografia

Inês Pedrosa escreve de acordo com a antiga ortografia

Texto publicado na edição da Única de 18 de dezembro de 2010


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Não é Portugal.
"Portugal ensina as mulheres a amar e a sofrer a fundo perdido."

Não é Portugal que ensina, porque Portugal, assim como muitos outros países, mais não é do que um herdeiro de certas concepções herdadas da Idade do Bronze.

As origens da misoginia perdem-se no tempo mas, por muito distantes que estejam, têm e tiveram, ao longo destes últimos 4 ou 5 milénios, discursos performativos destinados a legitimar e a justificar a superioridade do homem sobre a mulher, discursos esses que construíram todo um legado cultural misógino sustentado na tese de que a mulher é um objecto e o homem é o seu proprietário.

Nem vale a pena referir a origem dos ditos cujos discursos misóginos, porque os leitores sabem muito bem a que instituições me estou a referir. Mesmo aqueles que não gostam e desejariam não pensar sobre o assunto, sabem muito bem que instituições estiveram por detrás da consagração das lógicas misóginas.

Foram suficientes algumas escassas gerações para instituir toda essa cultura misógina. Serão necessários séculos para a eliminar.

A caca divina custa a limpar, mas lá se vai limpando aos poucos. Desgraçadas das mulheres que, pelo caminho, sofrem na pele, no corpo e na vida as consequências do lixo ideológico que ainda perdura, apesar da distância milenar da Idade do Bronze.
Uma terrível realidade
É infelizmente uma terrível realidade no nosso país.
Esse crime existe em todas as classes sociais,é difícil de prever estes acontecimentos se não houver denuncia da vítima.
Hoje melhorou-se muito o apoio a pessoas vítimas de violência doméstica,mas ainda estamos longe de atingir a educação que deverá começar nas escolas.
Eu própria tenho uma escola de vida desses tristes acontecimentos que deixaram marcas na minha alma para sempre...
Finalizei pedindo o divórcio depois de quinze anos de casada.
Hoje vivo só,mas nunca me arrependi da minha escolha.
Só lamento o facto dos meus filhos não entenderem isso.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub