Expresso 40 Anos
  • Patrocinadores Oficiais:
  • patrocinadores
  • Com o Apoio:
  • patrocinadores
Anterior
Expresso inicia comemorações do 40º aniversário
Seguinte
Anos 1983-92 em Revista especial para guardar, no sábado

Espreite dez das muitas fotos da primeira Revista especial dos 40 anos do Expresso

A primeira Revista que marca os 40 anos do Expresso já está nas bancas. A escolha das fotografias é de Rui Ochôa, o primeiro editor fotográfico do Expresso, que recorda os dez anos que vão do final do Estado Novo até ao fim do Conselho da Revolução.

|



Foto 1: UM PAÍS A DUAS VELOCIDADES

O fim da ditadura acelerou a vida das pessoas e foi a ignição de muitos novos projetos - políticos, ideológicos, sociais, culturais, mentais. Mas longe de Lisboa, e em parte também de quartéis ou fábricas, onde se acreditava que o futuro estava à mão de semear, havia um Portugal parado no tempo. O interior era então mais habitado do que é hoje, mas também mais isolado e muito mais pobre. O quadro destas páginas - desalento, tristeza, total ausência de expectativas a irmanar várias gerações (serão três?, serão quatro?) da mesma família - parece saído do cinema neorrealista italiano, montado por Visconti ou Rossellini, logo no pós-guerra. Mas foi captado várias décadas depois, em julho de 1974, numa aldeia perdida no concelho de Vila Flor, Trás-os-Montes. Assim respirava um povo a quem a Revolução ainda pouco ou nada dizia.


 
Foto 2: A MAIORIA SILENCIOSA

A 26 de setembro de 1974, uma tourada no Campo Pequeno a favor da Liga dos Combatentes torna-se manifestação de apoio a António de Spínola e de repúdio ao primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, vaiado pela assistência. Na verdade, foi um ensaio geral para a manifestação da Maioria Silenciosa (os setores da direita que se opunham ao andamento da Revolução e que ainda não tinham assumido uma posição pública), marcada para dois dias depois. Mas a corrida - como as expressões de Spínola e de Vasco Gonçalves parecem prenunciar - estava muito longe do fim. A concentração foi proibida, Lisboa esteve sitiada por piquetes que ergueram barricadas nas entradas e revistaram quem pretendia entrar. No fim, a Maioria Silenciosa não fez ouvir a sua voz; a 30 de setembro, Spínola falou ao país, para se demitir. Com o novo Presidente, Costa Gomes, veio o terceiro governo provisório, igualmente liderado por Vasco Gonçalves. As coisas iam começar a aquecer.



Foto 3: A REVOLUÇÃO À VOLTA DA FOGUEIRA

A Herdade da Lobata, em Serpa, foi um dos latifúndios alentejanos ocupados por trabalhadores. Num dia frio do outono de 75, sentam-se em círculo, como se quisessem abrir uma clareira para uma sociedade diferente, mais equalitária... Entre o final de 1974 e o início de 1976, foi criada, sobretudo no Alentejo, cerca de meio milhar de Unidades Coletivas de Produção (UCP), num processo conduzido pelos sindicatos afetos ao PCP e por vezes apoiado no terreno por militares. O projeto de uma "exploração comum da terra" - o que deixou muitas vezes à vista a impreparação da nova ordem na gestão das empresas agrícolas - ardeu como palha. No primeiro governo de Mário Soares é aprovada a chamada Lei Barreto, que foi o princípio do fim. A revisão da Constituição de 1982 (seguida pela de 86) faria o resto. A Reforma Agrária tem um lugar único na mitologia da Revolução, mas a sua chama aqueceu durante pouco tempo.



Foto 4: UM CAMPO DE CONFRONTOS

Na Lobata, o proprietário esteve sitiado vários dias por trabalhadores. A GNR anda por lá, mas limita-se a observar, sem fazer esforços para intervir. Ao lado dos grandes proprietários rurais na repressão dos assalariados durante o fascismo, a força militarizada sentiu esse fardo histórico durante a ocupação das terras e assumiu uma posição de neutralidade. Sob um chaparro, em redor do borralho, meia dúzia de soldados deixam correr o tempo. No final dos anos 70, quando nas planícies alentejanas o vento muda de feição, a GNR volta à ação.



Foto 5: O PODER JÁ PASSA PELO PARLAMENTO

Com as legislativas de 1976, a condução da vida do país passa cada vez mais pela Assembleia da República. A negociação entre líderes partidários (na fotografia, Francisco Sá Carneiro e Mário Soares) será uma bússola dos anos vindouros. Na primeira fila da bancada do CDS estão sentados (da esquerda para a dirreita) Lucas Pires, Rui Pena, Freitas do Amaral e Narana Coissoró. Um quarteto de luxo! Mas a qualidade dos deputados era pedra angular de todas as bancadas.



Foto 6: MORTE DO CARDEAL CEREJEIRA

A 1 de agosto de 1977, morre o cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira, a figura mais marcante da Igreja em Portugal no século XX. Foi patriarca de Lisboa durante 42 anos (1929-1971), o mais longo período de um bispo na diocese. Se o Estado Novo se confunde com Salazar (pelo menos até à morte deste), a Igreja portuguesa nesse mesmo período confunde-se com Cerejeira. A relação entre ambos, pessoal (colegas em Coimbra e amigos) e institucional (entre Igreja e Estado), durante décadas moldou o país. Sobretudo na identidade e nas cumplicidades evidentes, mas também nas tensões e divergências, dimensão que aos poucos a historiografia vem destapando. As cerimónias fúnebres foram presididas pelo sucessor de Cerejeira, D. António Ribeiro. O cardeal ficou sepultado no panteão privativo dos patriarcas, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa (na foto).



Foto 7: UM SINAL PREMONITÓRIO

Freitas do Amaral, Sá Carneiro e Ribeiro Telles (à frente, da esquerda para a direita) fazem uma pausa na descida da Avenida da Liberdade, em Lisboa, numa ação da campanha para as legislativas de 1979. É impossível saber de que se riam (especialmente Freitas), mas é bem possível que pelo canto do olho já estivessem a ver o sinal de trânsito. A 2 de dezembro, os eleitores portugueses seguiram à risca aquela sinalética rodoviária: impedidos de virar à esquerda, optaram por uma guinada para a direita. A Aliança Democrática (AD, coligação entre o PPD e o CDS) esteve no poder três anos e meio: um governo liderado por Sá Carneiro, terminado com a morte deste, e dois chefiados por Francisco Pinto Balsemão.



Foto8: DA CONSAGRAÇÃO À MORTE

Em novembro de 1979, na zona de Viseu, Sá Carneiro é vitoriado por populares, na campanha para as eleições que dariam a maioria à AD (e fariam dele primeiro-ministro). A 4 de dezembro do ano seguinte, na reta final para as presidenciais, o líder do PPD está (foto de baixo) junto ao candidato da direita, Soares Carneiro (também ladeado por Diogo Freitas do Amaral), numa conferência de imprensa em Lisboa, no Hotel Altis. Foi a última aparição pública de Sá Carneiro, que morreria poucas horas depois, no desastre de Camarate. O homem que levou a direita ao poder e queria "um Governo, uma maioria e um Presidente" não assistiu à concretização desse sonho.



Foto 9: JOÃO PAULO II, O PAPA DE FÁTIMA

A 12 de maio de 1982, João Paulo II inicia uma visita a Portugal, para agradecer à Virgem ter sobrevivido ao ataque que sofrera em Roma - um ano antes, a 13 de maio. O Papa atribuiu o seu salvamento a um "milagre de Fátima". João Paulo II teve transbordantes banhos de multidão, como mostra esta fotografia, tirada junto à Sé de Lisboa Algo só possível pela devoção dos portugueses e, também, por regras de segurança mais permissivas do que atualmente. Logo à chegada, entre o aeroporto e o centro, teve uma receção apoteótica (ver página seguinte). Em quatro dias, o Sumo Pontífice percorreu o país, de Braga a Coimbra, de Lisboa a Vila Viçosa - além do ponto alto, no santuário mariano. Foi a primeira visita de um Papa a Portugal em democracia.



Foto 10: A PRIMEIRA GREVE GERAL

A 12 de fevereiro de 1982, o país conhece a primeira greve geral, convocada pela CGTP, com a oposição declarada da UGT. É o primeiro grande embate após o 25 de abril entre um governo de direita e o movimento sindical. A 11 de maio, a Intersindical realizaria nova greve geral, "sempre contra a política de direita, mas também em protesto contra a provocação montada pelo governo AD e pelos amarelos da UGT" - assim a descreverá mais tarde o PCP. Da primeira paralisação ficou um hábito, que se mantém até hoje - as avaliações díspares dos resultados. Atente-se na manchete do "Diário de Lisboa", que dá as "duas versões": "A greve geral foi um êxito", clama a CGTP; "Foi uma derrota para... o PCP", garante o governo. A Intersindical deixou então o aviso: "Faremos as greves gerais que forem necessárias para defender a democracia e os interesses do país."





Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
O Expresso faz 40 anos e nessa época eu era seu
assinante, porque tinha esperança numa sociedade melhor e demcrática que eram os valores que este jornal defendia. Pasados todos estes anos as opções economicas e poiticas com que vivemos não foram as mais capazes no sentido do bem geral dos cidadãos...e da justiça social, antes pelo contrário...

As promessas
De uma democracia que servisse os interesses do povo só se ficaram pelas palavras.
Hoje o povo vive um calvario, e os interesses instalados nos mesmos de sempre.
Criticar Salazar pela sua política e esta democracia tão igual ou para pior.
Vergonha foi uma palavra abolida pela nata da sociedade portuguesa, e em vez da democracia, respeito e igualdade é criminalidade, corrupção, e associação de malfeitores com os exemplos dados por quem tem responsabilidades na governação deste país que está a ser desmenbrado e vendido ao desbarato mas que enche os bolsos à classe política e afins.
Mas quanto tempo mais passa a revolta e o ódio será maior e nem os cravos vão conseguir a paz desejada.
O dia para muitos será transformada em longas noites de solidão e amargura.
Tal como em 74...
Tal como em 74 foi preciso reescrever a História do Estado Novo (de outro modo ainda leríamos as laudas às qualidades do Sr. Dr. António de Oliveira Salazar e às virtudes do Cardeal Cerejeira, bem como à perfeitíssima organização da Nação com o Partido da União Nacional e a Câmara corporativa), ESTÁ NA HORA DE REVER A HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO DE 74, do Movimento das Forças Armadas, e de tudo o que se seguiu desde essa altura!!!

Este artigo continua a veicular a "História Revolucionária" Oficial, lavrada em mármore pela Comunicação Social e por um séquito de historiadores e políticos lacaios da "Esquerda" pós-74.

NEM o Estado Novo foi tão mau para o País, NEM a Revolução dos Cravos foi tão boa!!! NA REALIDADE, muito do que se aponta a Salazar era a HERANÇA DA MONARQUIA E DA 1ª REPÚBLICA QUE NÃO SOUBERAM RESOLVER NENHUM PROBLEMA; e é inegável que o País PROGREDIU mais nos 36 ANOS em que Salazar esteve à frente do Governo, do que nos 38 ANOS que nos separam de Abril de 74!!!

DIGAMOS, que quando Salazar assumiu funções como Presidente do Conselho de Ministros, Portugal tinha 50 anos de atraso em relação à Europa, e que quando ele caíu da cadeira, tinha "apenas" 30...

Mas é um facto que hoje em dia também não estamos ao nível da França nem da Alemanha (quando muito da Grécia ou da Irlanda), e RECEIO QUE INICIÁMOS O CAMINHO INVERSO...
Repor a História
É pena que uma revista como esta, especialmente destinada a ser colecionada, inclua erros históricos que ajudarão a perpetuar equívocos. No artigo de Miguel Sousa Tavares, há, pelo menos dois erros: dos três governos de iniciativa presidencial - Nobre da Costa (3.º), Mota Pinto (4.º) e Maria de Lurdes Pintasilgo (5.º) - apenas o de Nobre da Costa foi imediatamente rejeitado no Parlamento. Mota Pinto iniciou funções em novembro de 1978 e cessou-as porque pediu uma moção de confiança em junho de 1979 e não lha foi dada; e Lurdes Pintasilgo começou em julho de 1979 e cessou em janeiro de 1980 porque o Presidente Ramalho Eanes dissolveu o Parlamento.
Por outro lado, na década em referência (1973-1982) não houve OPAs na Bolsa. A primeira OPV (Oferta Pública de Venda e não OPA, de Aquisição) ocorreu em 1986.
É certo que se trata de um artigo de opinião, mas não deixa de ser pena que tenha deturpado factos históricos. Agradeço mais crivo editorial na próxima revista de década.
Oscar Mascarenhas
Re: Repor a História
Comentários 5 Comentar

Últimas

BES contamina Bolsa

Investidores assustados com antecipação de prejuízos do banco na ordem dos 3000 ...

Ver mais
Multimédia Expresso 40 anos
Confronto. A organização da mesa não foi inocente: do lado esquerdo os dois políticos (José Pacheco Pereira e Rui Rio), do direito os jornalistas (Miguel Sousa Tavares e Henrique Monteiro), separados por um moderador, José Azeredo Lopes, que não deixou de tomar posição

Haverá jornalismo sem jornais?

José Pedro Castanheira (texto), Rui Duarte Silva (foto) 

O jornalismo e o papel dos 'media' foram discutidos com paixão, no Porto, no final das comemorações dos 40 anos do Expresso.

mais
A gestão cultural, as obrigações do Estado, a importância da Cultura e aquilo que a distingue das outras indústrias foram temas que animaram a conferência "Cultura e Criatividade - Investir Mais É Uma Boa Ideia", que decorreu no Auditório da Universidade de Évora

É urgente gerir bem a cultura

Alexandra Carita 

O que faz falta à Cultura? Financiamentos maiores, novos modelos de gestão, clarificação de obrigações e desenvolvimento sustentável.

mais
Turismo à mesa. O excesso de oferta face à procura em Portugal, a promoção de dormidas ilegais e as estratégias de promoção foram temas que animaram a conferência “Turismo — tanto para oferecer, tanto para fazer”, reuniu Pedro Costa Ferreira, Cristina Siza Vieira, Francisco Pinto Balsemão, Bernardo Trindade e Mário Ferreira à mesa da conferência que decorreu no Teatro Baltazar Dias, no Funchal

Conferência Expresso 40 anos no Funchal: Desafios do Turismo

Conceição Antunes 

Ir além da Primavera Árabe. Crescimento com futuro, não só à custa da crise no Egito, Turquia e Tunísia, foi o mote da conferência no Funchal.

mais
A nova agricultura. Sector paga, em média, abaixo dos €700, dificultando a atração de trabalhadores. A necessidade de conhecimento científico tem trazido mais quadros para as empresas agrícolas e o trabalho braçal tem cedido lugar às novas tecnologias

O maior "mito" da Agricultura

Joana Madeira Pereira  

Conferência Expresso em Ponta Delgada: Portugal tem bons terrenos e clima excecional, mas não tem capacidade para ser autossuficiente na agricultura e nas pescas.

mais
Os perigos das novas tecnologias. Francisco Pinto Balsemão moderou o debate e no final manifestou alguma preocupação com o uso indevido das novas tecnologias em ataques à privacidade dos cidadãos

O milagre da nuvem digital

João Ramos 

As mais pequenas empresas já podem ter acesso a programas informáticos que só eram acessíveis as grandes companhias

mais
O acidente nuclear e Fukushima, no Japão, empurrou esta tecnologia para o fundo das opções energéticas. As renováveis ganham mais força, mas o gás de xisto pode baralhar tudo

Nuclear? Agora não, obrigado

Vitor Andrade 

O futuro da energia. Nem o petróleo vai acabar, nem o nuclear será abandonado. Mas as renováveis continuam a conquistar terreno.

mais
O Teatro Viriato, em Viseu, encheu durante o debate “Educação: a base de tudo o resto?”, que juntou  dois ex-ministros da Educação e foi moderado por Francisco Pinto Balsemão

"A Educação está entre o atraso e o futuro"

Isabel Leiria 

Depois de décadas de estagnação, os resultados melhoraram na Educação. na Conferência Expresso em Viseu falou-se do que falta fazer.

mais
O acidente nuclear e Fukushima, no Japão, empurrou esta tecnologia para o fundo das opções energéticas. As renováveis ganham mais força, mas o gás de xisto pode baralhar tudo

Região Centro pode dar um salto tecnológico

Virgílio Azevedo 

A criação de um corredor de alta tecnologia entre Aveiro, Coimbra, Cantanhede e Covilhã foi proposta na conferência do Expresso.

mais
A mesa do painel reunido pelo Expresso em Braga foi moderada por Francisco Pinto Balsemão e  debateu a a situação demográfica do país a partir do mote contido na pergunta: “Cada vez menos e mais velhos—Como inverter a tendência?”

O futuro está a ficar cada vez mais velho

Valdemar Cruz 

Demografia Especialistas defendem que só uma sociedade mais amiga da paternidade melhorará as taxas de fecundidade.

mais
Debate. Os oradores e Francisco Pinto Balsemão, presidente do grupo Impresa e moderador da conferência "Saúde e Segurança Social: o Estado pode continuar a tratar de nós?", segunda feira, em Coimbra no âmbito das comemorações dos 40 anos do Expresso

Tratar o Estado para o Estado tratar de nós

Vera Lúcia Arreigoso 

Conferência Expresso em Coimbra: especialistas em Saúde e Segurança Social defendem que o país só pode continuar a dar proteção se curar as doenças de que sofre.

mais
PUB
PUBLICIDADE
Últimas  Expresso 40 anos
Os nossos leitores

Que notícia gostava que o Expresso publicasse daqui a 40 anos?

24

Deixe aqui a sua sugestão de notícia para o futuro.