0
Anterior
"O inferno desceu ao Funchal"
Seguinte
"Situação está melhor" na Madeira
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "Esperemos que não tenha acontecido o pior"
áudio

"Esperemos que não tenha acontecido o pior"

Oiça o testemunho de Marta Caires, jornalista do "Diário de Notícias da Madeira", sobre o enorme incêndio no Funchal.

Marta Caires, jornalista, moradora no Funchal, diz que a cidade está cheia de fumo, mas o clarão enorme que se via até há pouco tempo, já está mais pequeno.  "Ninguém sabe bem o que se passa. Está muito escuro, há muito pânico. Mas ninguém vai dormir naquela zona. Só por milagre é que não morreu ninguém", acrescenta ao Expresso.

Trata-se da parte mais alta do Funchal, a cerca de seis quilómetros do centro da cidade. É ventosa, densamente povoada, uma zona onde se encontram urbanizações de luxo, campo de golfe, um hotel, a cadeia e o parque industrial da Cancela, o qual poderá ter ardido em parte, aliás, alguns dos stands de automóveis ali instalados foram evacuados. Segundo a jornalista madeirense, sabe-se que arderam casas, mas o número é incerto.  "Falam-se de cinco casas de um lado e quatro do outro.

Nas imagens da RTP, viam-se casas a arder, lume a sair das persianas", conta.

Segundo Marta Caires, o fogo alastrou-se muito rapidamente. Ela viu fumo e um clarão lá no alto, cerca das 21h, quando ardia pinhal e eucaliptos. No pequeno percurso que fez de táxi até casa, "num instante", o incêndio propagou-se tronando-se incontrolável.

"Em questão de meia hora transformou-se numa coisa horrorosa", frisa, lembrando que, naquela zona, a maioria das casas de habitação têm condições precárias, encontram-se construídas quase umas em cima das outras, o que proporciona uma maior rapidez à propagação das chamas. Uma amiga de Marta, moradora no Caniço, mais perto do incêndio, contou-lhe que ouviu diversas explosões, provavelmente de botijas de gás e de combustível existente no Parque Industrial, já que ela viu o fogo caminhar para lá.

"Quem viu as explosões, diz que pareciam foguetes", acrescenta Marta, adiantando que está um calor intenso na parte baixa da cidade, onde não sopra uma aragem, mas na zona alta o vento sopra forte.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Quem é Carlos Moedas?

Leia um retrato do novo comissário europeu de Portugal em Bruxelas, feito durante a campanha ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub