Anterior
YouTube bloqueou filme de Maomé na Malásia
Seguinte
Adesão à greve da Galp supera 90%
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Espanha quer "intensificar inspeções" a voos da Ryanair

Espanha quer "intensificar inspeções" a voos da Ryanair

Diversas aterragens de emergência, duas das quais no último fim de semana, levam o Governo espanhol a ponderar "intensificar as inspeções" aos aviões da Ryanair.

Lusa |
26 de agosto de 2008. Boeing 737 da Ryanair, com 168 passageiros, que fazia ligação entre Bristol e Barcelona, aterra de emergência em Limoges (França)
26 de agosto de 2008. Boeing 737 da Ryanair, com 168 passageiros, que fazia ligação entre Bristol e Barcelona, aterra de emergência em Limoges (França) / Getty

O Governo espanhol anunciou hoje a intenção de "intensificar as inspeções" aos aviões da Ryanair que operam no país, após uma série de incidentes com a companhia aérea irlandesa de baixo custo.

"Dado que esses aviões operam fundamentalmente em Espanha, as autoridades deviam ter a possibilidade de realizar essa supervisão, esse controlo, intensificar as inspeções", declarou à imprensa o secretário de Estado das Infraestruturas espanhol, Rafael  Catala. "É isso que estamos a pensar exigir", acrescentou.

Uma fonte ministerial disse à agência noticiosa francesa AFP que o Ministério do Equipamento espanhol já escreveu ao comissário europeu dos Transportes, Siim Kallas, bem como às autoridades irlandesas de aviação civil, a pedir uma reunião para debater o assunto.

Em debate está a possibilidade de os países membros da União Europeia poderem reforçar o poder de controlo sobre os aparelhos de companhias aéreas de outros países que operam um volume elevado de voos nos seus territórios.

Aterragens de emergência


Dois voos da companhia aérea de baixo custo irlandesa Ryanair aterraram de emergência em Espanha no espaço de 24 horas, ambos por problemas técnicos.

O incidente mais recente registou-se no domingo, num voo que ligava Paris-Beauveais, em França, a Tenerife, nas ilhas Canárias. O avião teve de "aterrar por problemas técnicos" no aeroporto de Madrid.

No sábado, um outro voo da Ryanair, que fazia a ligação entre Bristol, no Reino Unido, e o aeroporto de Réus (Catalunha, nordeste de Espanha), teve "um problema num dos motores e o piloto decidiu mudar a trajetória para aterrar" no aeroporto de Prat, em Barcelona, a uma centena de quilómetros do destino.

Falta de combustível


Estes incidentes do fim de semana somam-se a uma série de problemas registados nas últimas semanas em voos da Ryanair em Espanha e noutros países europeus.

O caso que mais atenção suscitou em Espanha ocorreu no final de agosto. Três aviões da Ryanair foram desviados do aeroporto de Madrid para Valência (leste) e tiveram de pedir uma aterragem de emergência por falta de combustível.

Ao chegar a Valência, os aviões tiveram de aguardar autorização para aterrar, mas acabaram por comunicar à torre que o combustível se aproximava dos níveis mínimos permitidos. O aeroporto acabou por lhes dar prioridade na lista de espera para a aterragem de emergência.

A imprensa inglesa noticiou recentemente que a Ryanair deu instruções aos pilotos para que carreguem a bordo o nível mínimo possível de combustível. Qualquer excesso tem que ser justificado por escrito.

A empresa já se defendeu, afirmando que todos os voos operam com os níveis de combustível exigidos pelos fabricantes dos aviões e pela Agência Europeia de Segurança Aérea.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
O BARATO SAI CARO
Em vez de ponderar deveriam actuar. E é fácil. É só mandar um inspector da autoridade aeronáutica verificar a quantidade de combustivel à chegada da aeronave. De vez em quando, aleatoriamente, para que não se torne norma e a companhia em causa não continue a prevaricar. Ponderações e avisos nada têm a ver com operações seguras. Não actuar de imediato tem custos acrescidos e todos esperamos que não se tornem fatais.
Como dizia o outro, o barato sai caro. Vamos a ver quanto!
IRLANDA??
um protetorado britanico

tem aviões??
Comentários 2 Comentar

Últimas


Pub