0
Anterior
Guerra entre gerações
Seguinte
Capitalismo: manual de instruções
Página Inicial   >  Opinião  >  Henrique Raposo  >   ERC: o Lápis Rosa

ERC: o Lápis Rosa

O português sai de casa e vê uma pedra da calçada fora do sítio. Em vez de colocar a pedra no seu lugar, o português começa logo a esboçar um plano nacional das calçadas enquanto caminha para o café; quando acaba a bica, o dito português já tem um plano para os passeios de todo o mundo. Entretanto, a pedra continua fora do sítio, e um vizinho já partiu uma perna porque tropeçou no buraco. O debate intelectual português é assim: jornalistas e comentadores passam a vida a dissertar sobre a calçada mundial (i.e. EUA) e, depois, ignoram as pedras fora do sítio em Portugal.

No sábado passado, o Expresso mostrou como a entidade reguladora para a comunicação social (ERC) legitimou as pressões de José Sócrates sobre os jornalistas durante a polémica da licenciatura. Numa democracia normal, este assunto teria gerado polémica e discussão. Mas Portugal não é uma democracia como as outras. Durante a semana, a elite portuguesa entregou-se a uma sofreguidão histérica em redor de Wall Street e de Sarah Palin. O Partido Republicano e o capitalismo americano, reza a lenda lusitana, são uma ameaça à liberdade. E, agora, pergunto: e que tal criticar o nosso governo? Os ataques à liberdade começam aqui em Portugal. Lisboa está cheia de buracos na calçada; não é preciso ir procurar pedras transviadas em Washington.

Pacheco Pereira afirmou que a "ERC perdeu a vergonha". Bom, eu diria um pouco mais: a ERC é um órgão ilegítimo e deve ser abolido. Não é uma questão de vergonha ou decência. A questão é bem mais simples: um organismo como a ERC não pode existir na orgânica de uma sociedade livre. Isto não é um juízo moralista. É uma mera constatação institucional. Numa sociedade livre, a liberdade de imprensa (reino dos jornalistas) é mais importante do que o acto eleitoral (reino dos políticos). Votar é algo que fazemos num dia de quatro em quatro anos. Nos 1460 dias que medeiam cada eleição legislativa, nós precisamos de jornalistas livres e críticos. Sem essa liberdade de imprensa, o acto democrático não serve para nada. Ora, a ERC é uma ameaça a essa liberdade. Esta entidade para a comunicação tem funcionado como um lápis cor-de-rosa. No passado, o lápis azul cortava as palavras incómodas. Hoje, este lápis rosa não apaga, mas altera as palavras que fazem comichão ao partido do poder. Por exemplo, a ERC recusou usar o termo 'pressão' para qualificar as "démarches" de Sócrates junto das redacções. Ou seja, a ERC transformou 'pressões' intoleráveis em 'intervenções' aceitáveis. Lamento, mas esta linguagem escorregadia que muda o nome às coisas faz lembrar a linguagem dos regimes autoritários.

Para terminar, convém salientar que o PSD nunca colocou a ERC socialista no centro da agenda nacional. É natural: este lápis cor-de-rosa será, um dia, um lápis cor-de-laranja.

Traduzam s.f.f.

Isabelle Lasserre escreveu um livro obrigatório: 'L'Impuissance Française'. Esta jornalista do 'Le Figaro' descreve o abismo epistemológico que existe entre a auto-imagem da França e a realidade internacional. A elite francesa continua a declarar que a França é uma potência global, mas, na verdade, a França é uma potência média em declínio.

Henrique Raposo


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub