Anterior
Energias renováveis abastecem o país há seis dias
Seguinte
EDP Renováveis em primeiro no sector dos bens essenciais
Página Inicial   >  Economia  >  Energia  >   Eletricidade mais barata no mercado liberalizado

Eletricidade mais barata no mercado liberalizado

Os consumidores que optarem pelo mercado liberalizado podem ter uma descida de 10% da fatura energética, segundo a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

|

A mudança do mercado regulado para o mercado liberalizado da energia elétrica pode trazer um ganho de 10% aos consumidores. 

A conclusão é da Entidade Reguladora dos Serviço Energéticos (ERSE), num relatório onde se pode ler ainda que até ao momento já mudaram de regime 1,5 milhões de consumidores em Portugal. O período transitório estende-se até 2015.

A ERSE dá como exemplo um casal com dois filhos, que contratou uma tarifa transitória regulada e uma fatura anual de 1.005,62 euros. O mesmo casal, no mercado livre, pode optar por uma tarifa mais barata e acaba por ter uma fatura anual de 905,23 euros, para o mesmo tipo de serviço, o que significa uma poupança de 100 euros por ano.

Em junho de 2012, com a extinção da tarifa regulada, "houve uma aceleração do mercado e um consequente aumento da oferta", segundo fonte oficial da ERSE.

Ou seja, segundo a mesma fonte, "não há um aumento do preço da eletricidade, pois é analisada a média das ofertas que estão a ser praticadas no mercado e não do valor pago por cada consumidor".


Opinião


Multimédia

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
As instituições de defesa, mas são apenas tachos
« descida de 10% da fatura energética, segundo a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). »

Já não acredito nas palavras ou fingida justeza/utilidade desta gente.

Basta ver o que acontece a quem reclama porque o relógio do contador bi-horário estava errado:

1 - A EDP diz logo (sem justificar, nem explicar/mostrar os cálculos) que não fomos prejudicados;

2 - A ERSE, responde que vai indagar, mas nada faz, nada regula, nada quer saber!!!!!

Perante isto, só me cabe perguntar:

Para que me vou aborrecer, com reclamações, cartas e protestos, se ninguém neste País defende quem é prejudicado, havendo uma série de entidades que, já se percebeu, só servem para dar tacho aos boys.

Nós necessitamos de uma revolução de cultura, lucidez e honestidade, para nos vermos livres desta elite provinciana, corrupta, e que através dos impostos e mentiras, suga o povo até ao tutano...

É por isso que este povo está bestializado, onde as elites, sem nível para o ser, o escraviza e humilha, até perder a confiança em si próprio.

E um povo que não tem auto-confiança, é fácil tornar escravo ou besta, beijando as mãos de quem o explora e chamando-lhe, senhor!
Isto dá para rir...
Então é 10% mais barata... durante 1 ano. Depois fica mais cara e só se paga o mesmo se se tiver débito direto.

Meu caso:
Pagava 26 euros por mês no mercado controlado.
Cometi o erro de mudar para o mercado liberalizado devido a uma "oferta" dos hipermercados Continente.
Agora pago 32 euros por mês e gasto menos 2kw do que gastava anteriormente. Na verdade o desconto de 10% que me dava no cartão acabou e estou a pagar a electricidade mais cara do que pagava anteriormente. Tentei mudar para a bi-horária... não posso. Só quando terminarem os 2 anos de fidelização é que posso mudar. Ao mesmo tempo, foi actualizado o preço... para ficar um número redondo por kw, subiram 1.2 cêntimos.
Portanto, estou a pagar mais (também existiu o aumento do IVA) por gastar menos electricidade que gastava anteriormente. E a operadora pode aumentar-me o preço quando bem lhe apetecer e eu não posso dizer nada enquanto tiver os 2 anos de fidelização.
É as continhas do Catróga...
Eu nao caí nessa!
Mercado liberalizado???
Quando me falam em mercado liberalizado aqui em Portugal, fico sempre desconfiado...
Quando me falam de autoridades reguladoras da concorrência em Portugal, a ideia que se me afigura é OPORTUNISTAS. TACHOS, JOBS FOR THE BOYS.
Temos a experiência do resultado das liberalizações de mercados no nosso País, estas resultaram sempre em benefício declarado para o fornecedor e e significadivo acréscimo de despesa para o consumidor.
Esta, pseudo liberalização não vai passar do mesmo.
No final vão criar tantos pacotes mais ou menos complicados, de forma análoga ao que acontece nas telecomunicações e outros por exemplo, que para o consumidor vai ser complicado comparar e decidir.
A economia será do tipo, um contrato de um periodo de tempo com um preço dito baixo, findo o prazo a tarifa volta a valores proíbitivos.
A liberalização apenas serve para o governo fazer como o Pilatos, "LAVA DAÍ AS SUAS MÃOS", deixar a fiscalização num regulador, pago a peso de ouro com os nossos impostos e para nós continuarmos a pagar ordenados chorudos tal com aquele que o Catroga ganha a fazer não sabemos o quê...
ERSE
Negócios obscuros abrilhantados por campanhas publicitárias massivas. A ERSE é um embuste caro ao país.
Funciona, mas não no nosso mercado
Duvido muito sinceramente que a liberalização faça descer o preço da electricidade, pois tanto o número de consumidores, como o de distribuidoras de energia é demasiado pequeno para promover a competitividade.
Agora inicialmente até pode acontecer, mas o mais certo é ocorrer o mesmo que no caso da liberalização do preço dos combustíveis há uns anos.
Aliás, são casos semelhantes, poucos fornecedores, os mesmos consumidores, um bem indispensável...
Eu aguardo desde Fev!
Escrevi à ERSE sobre a ilegalidade, pelos vistos instaurada, de os novos operadores de energia só aceitarem dois modos de pagamento de facturas - transferência bancária ou multibanco - e insisto, não é obrigatório ter uma conta bancária em Portugal e por outro lado, quero ser livre de escolher o modo de pagar as minhas contas.
A EDP, diz-me que tem máquinas em lojas oficiais, o que significa percorrer 200km para pagar uma conta de electricidade!
Que País triste e miserável este!!É o que se me apraz dizer! ( só para não chamar mais nomes).
É o que se me apraz dizer!
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub