Anterior
Saúde e engenharia lideram ofertas de emprego
Seguinte
Troika não se compromete com utilização da ANA para reduzir défice
Página Inicial   >  Economia  >   Efromovich: "Se depender de mim, o nome TAP não muda"

Efromovich: "Se depender de mim, o nome TAP não muda"

German Efromovich admite juntar-se a parceiros portugueses para comprar a companhia aérea portuguesa. Não comenta os números da TAP, mas acredita que "tudo tem um custo e um benefício". Para já, aguarda que o Governo português o chame a Lisboa.
|
Efromovich assume que ter um hub (placa giratória) na Europa é uma necessidade

Ainda na segunda-feira, dia 1 de outubro, esteve em Lisboa, "vendo legislação e afinando a estrutura". Mas foi em Bogotá, na Colômbia, que o empresário que quer comprar a TAP falou com um grupo de jornalistas portugueses. Com reserva, por causa das questões de confidencialidade que o processo exige, German Efromovich, dono do grupo Synergy, assumiu ter entregue uma proposta para comprar a companhia aérea portuguesa "de acordo com os requisitos das autoridades europeias" e salientou: "Se apresentei uma proposta é porque não estou brincando".

Isolado na corrida à TAP (das três propostas apresentadas, apenas a dele é elegível), o homem que controla a Avianca na Colômbia e no Brasil revela que "ainda não tem" uma empresa europeia constituída e admite a possibilidade de criar parcerias com empresas europeias, em concreto, com portuguesas. A companhia aérea portuguesa Euroatlantic, por exemplo, já se mostrou disponível para participar com o grupo Synergy na compra da TAP. De resto, o empresário diz também estar aberto a avançar com bancos que estejam dispostos a financiar e a investir. Existem já vários parceiros financeiros em linha, revela o dono da Avianca, entre os quais portugueses.

Efromovich esclarece que não pode falar sobre o processo de privatização da TAP, por questões de confidencialidade, porque o Governo português ainda não se pronunciou sobre as propostas recebidas e porque "não sabemos se passaremos às fases seguintes". Luís Marques Guedes, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, disse esta semana que o caderno de encargos da privatização da TAP deverá ser aprovado este mês.

No mesmo dia em que anunciou que a companhia aérea que resulta da fusão entre a Avianca (Colômbia) e a TACA (Peru), iniciada em 2009, vai chamar-se apenas Avianca, Efromovich garantiu acerca da TAP: "Se depender de nós, o nome não muda". "Aquele que tiver o privilégio de ficar com a TAP tem de ser muito burro em trocar de nome", acrescentou.

No seguimento daquilo que fez com a Avianca - que tem hoje uma frota de mais de 100 aviões, mais de 17 mil trabalhadores, e serve mais de 100 destinos em 25 países - e numa lógica de seguir uma estratégia de aquisições, German Efromovich comenta que a abordagem é sempre diferente. O grupo Synergy - que tem perto de 30 mil trabalhadores, fatura 5 mil milhões de dólares (quase 3,9 mil milhões de euros) e atua em sectores que vão do petróleo à agricultura, passando pela hotelaria - ainda controla a Avianca Brasil (ex-OceanAir), num total de oito empresas de aviação. A abordagem é sempre diferente porque "cada região tem o seu mercado e a sua sinergia", explica. No caso da TAP, "não existe nenhum conflito com o grupo Synergy. Só existe complementaridade. Não consigo ver nenhuma outra companhia no planeta Terra que tenha tanta complementaridade", afirma.

Efromovich assume que ter um hub (placa giratória) na Europa é uma necessidade e garante que a operação da TAP "é uma soma". O empresário adianta que não quer que a TAP deixe de voar para cidades no Brasil, por exemplo.

Relação entre custo e benefício


Com a ambição de fazer da Avianca "a maior companhia aérea do mundo", German Efromovich encontra na TAP uma plataforma para crescer a nível intercontinental e assegurar ligação à Europa, aos Estados Unidos, a África e ao Médio Oriente. Mas tudo tem um preço. O grupo TAP apresentou prejuízos de €140 milhões no primeiro semestre deste ano e regista capitais próprios negativos de €500 milhões, situação que a sua acionista Parpública classifica como "crítica".

Acreditando que "não existe nada barato ou caro", o empresário colombiano-brasileiro não comenta os resultados da companhia aérea portuguesa. Reitera que não pode dizer "absolutamente nada sobre o processo de privatização da TAP", adiantando apenas que "a TAP entregou o balanço, mas nós ainda não fizemos due dilligence (auditoria feita antes da venda para aprofundar e avaliar a informação disponível, analisando a existência de riscos, passivos ocultos ou contingências)". Contas feitas, caso os números da companhia não lhe agradem, Efromovich pode recuar e retirar a proposta.

Confrontado com o interesse na deficitária TAP Manutenção & Engenharia no Brasil (ex-VEM), que registou prejuízos de €62,7 milhões no ano passado e foi a principal responsável pelas perdas totais do grupo TAP (€76,8 milhões), o empresário comenta apenas: "Tudo tem um custo e um benefício". O Governo português pretende privatizar a totalidade da companhia aérea portuguesa, incluindo o negócio da manutenção no Brasil.

Em aberto ainda está a questão que o sindicato dos pilotos tem levantado, invocando direitos de participação entre 10% e 20% no capital social da empresa privatizada. Efromovich garante que, caso venha a ficar com a TAP, todos os direitos e obrigações - os da companhia e os dos trabalhadores - serão respeitados.

Ao nível da gestão, garante que nem ele nem o irmão (José, que preside a Avianca Brasil) são gestores. "Nós somos mentores", diferencia. Chamado a comentar o desempenho de Fernando Pinto na TAP, afirmou: "É um profissional competente, que conheço há muitos anos. É meu amigo e ajudou muito a TAP".

 

ANA pode estar na mira


Com o processo de privatização da ANA a decorrer em simultâneo, German Efromovich não descura a possibilidade de vir a participar no processo. Garante que não irá levantar o caderno de encargos da companhia, mas avança estar disponível para se aliar a parceiros que o façam. "Não somos gestores de aeroportos, mas não posso dizer que não nos possamos juntar a quem esteja interessado em aeroportos e que acrescente valor". Ainda assim, o empresário dá a sua opinião sobre a estratégia aeroportuária em Lisboa: "O aeroporto de Lisboa ainda consegue operar bem por mais algum tempo. Não é um investimento prioritário. Está dentro da cidade, sem atrapalhá-la. É um hub fácil, um aeroporto amigável. O aeroporto tem de ser simples e prático".

Com 62 anos - e não 64, como fez questão de corrigir - German Efromovich reconhece ser viciado em trabalho e de gostar de se envolver nas operações. Diz passar apenas 25% do seu tempo no Brasil e andar o resto do tempo pelo mundo. Mudar-se para a Europa, ou até mesmo Portugal? "Não é uma possibilidade que eu desconsidero", responde. O dono do grupo Synergy nasceu na Bolívia, naturalizou-se brasileiro e ainda tem origens polacas. As normas comunitárias impedem que companhias aéreas não europeias detenham mais de 49% das europeias. Com German Efromovich a assumir a oferta à privatização da TAP, podendo pedir nacionalidade polaca, esta questão poderia deixar de se colocar.

Para já, não tem planos concretos para regressar a Portugal. Mas tem expetativas. O empresário já respondeu a algumas questões extra que o Governo lhe colocou entretanto e aguarda apenas que o chamem para avançar com o processo. Dos jornalistas portugueses despede-se com um esperançoso "até breve".


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 13 Comentar
ordenar por:
mais votados
Efromovich assume que ter um hub na Europa é
Uma necessidade!!!
Qual será o real interesse deste objetivo???
Re: Efromovich assume que ter um hub na Europa é
Estes traidores estão a vender e a espoliar tudo o
que resta do País em beneficio de interesses transnacionis a mando da Goldman Sachs e seus compparsas que estãqo espalhados por todo o lado com ligações estrategicas no poder. Mas na Argentina o prsidente La Rua pretendia fazer o mesmo mas o povo levatou-se como se pode ver no video abaixo. Recentemente viajei na TAP e antes de entrar no avião estavam s tripulantes todos untos e pergunte-lhes se não faziam nada para impedir a venda da TAP, uma empresa de prestigio internacional. Soriram e pouco disseram. É uma pena como este povo se deixa enganar por estes abutres que estão no poder à custa de metirema toda a populaçao......... youtu.be/NR8roBvl2eU
Re: Estes traidores estão a vender e a espoliar tu
Re: Estes traidores estão a vender e a espoliar tu
COLUMBIANO ? ENTENDITY !
Como dizia o outro ( Vasco Santana)..."a águas para o Cartaxo ? E-N-T-E-N-D-I-T-Y ! Isso é que vai ser voar...! BAGOTÁ-LISBOA-BAGOTA! Sempre a voar...baixinho.
Greves
Vão acabar as greves......tenho a certeza.
Re: Greves
judroikas
É mais um negocio de retornados.

É por estas e por outras que eles foram corridos de africa belicamente.

Negocios com judas de certo que os funcionarios da troika nunca aceitariam fazer nos seus proprios países.

Pois a TAP. o P da para Portugal como para Polonia.

Como um passaporte torna um negocio impossivel posivel.
TAP
NÓS OS PORTUGUESES ATÉ PODEMOS GOSTAR DO NOSSO PAIS E SERMOS PATRIOTAS ,MÁS O QUE E QUE ISSO NÓS TRÁS ALÉM DE SERMOS ROUBADOS CONSTANTEMENTE PELOS SUCESSIVOS GOVERNOS ELES SIM SÃO ANTI PATRIA EU QUERO E QUE ESTE PAIS SE VA LICHAR NÃO TENHO QUALQUER ALMA PATRIOTA ESTE NEGOCIO E BOM PARA A TAP ,PELO MENOS E MENOS UM SITIO ONDE OS NOSSOS GOVERNOS DEIXAM DE IR ROUBAR.
Cuidado com a Raposa
Este senhor Efromovich ,no Brasil onde vivo,segundo os jornais da época,tempo do PSDB no poder, foi alvo de processo na compra e/ou aluguel de plataformas de petroleo para a Petrobrás ,em conluio com o antigo presidente da Petrobras Rennó.
Cuidado pois vocês podem ficar sem dinheiro e sem companhia aérea.Mas para quem já vendeu parte do país...
TAP e Avianca..
o homem do momento! a grande oportunidade da nossa joia do ar e a excelente oportunidade da avianca gerir um grupo organizado, maior, bem estruturado! eu acredito que nesta privatização. Acredito que a mudança será positiva, trará novas rotas à TAP e melhor qualidade e assistência nos voos.
E ENTÃO ? COMO É QUE FICAMOS?
Caros Sr.s Jornalistas.
Tantos comentários, para quê?
Como ficamos?
Fizeram uma não notícia, ou como desmentirão o seguinte:

www.aviancataca.com/Lang/en/news/news50.html

Saudações...

Ler mais: expresso.sapo.pt/estado-pode-readquirir-a-tap-depois-da-privatizacao=f761072#ixzz29 nOsRBj6
Comentários 13 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub