Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ydreams. Dívidas de €18 milhões e com administrador judicial

  • 333

FOTO ANTÓNIO PEDRO FERREIRA

A Ydreams solicitou um plano de revitalização especial junto do Tribunal do Barreiro para evitar a insolvência. Foram identificados 180 credores. O Novo Banco é o maior credor, com 7,75 milhões de euros.

Hugo Séneca

António Câmara, professor na Universidade Nova de Lisboa (UNL), cientista de créditos reconhecidos com a atribuição de um Prémio Pessoa, chegou fazer títulos de jornal dizendo que a Ydreams estava empenhada em criar um produto capaz de fazer esquecer o iPhone. Três anos passaram sobre a auspiciosa frase e a realidade teima em não coincidir com os desejos do cientista empreendedor: a Apple vendeu 10 milhões de iPhones 6 em três dias; a Ydreams, empresa de tecnologias que chegou a ser o estandarte de uma nova geração de empreendedores portugueses, tem uma dívida de 17,982 milhões de euros. Em dezembro, o Tribunal do Barreiro nomeou um administrador judicial provisório, depois de a empresa sedeada no campus da UNL ter solicitado um Plano de Revitalização Especial (PER) para negociar com os credores uma via alternativa para o pagamento das dívidas.

No início de 2015, deu entrada no Tribunal do Barreiro uma lista provisória com 180 credores. Na lista encontram-se trabalhadores, acionistas, bancos, segurança social, fisco, operadores de telecomunicações, empresas de hospedeiras de eventos, corretores de seguros, agências de viagens, a UNL, fundos de investimentos, empresas de limpeza e prestadores de serviços variados.

No topo dos maiores credores destaca-se o Novo Banco (sucessor dos negócios mais promissores do BES), com um total de 7,751 milhões de euros. Se somarmos o Fundo de Capital de Risco para Investidores Qualificados ES Ventures II, que é credor, enquanto acionista, de 944 mil euros, conclui-se que quase metade da dívida envolve entidades do Grupo Espírito Santo.

Apesar de ser credor da maior fatia da dívida, o Novo Banco não é a única entidade bancária credora da Ydreams: na lista constam igualmente o BCP (1,467 milhões de euros); a Caixa Geral de Depósitos (1,693 milhões de euros); o BIC, com 363 mil euros; a Parvalorem, empresa que gere os ativos tóxicos do "antigo" BPN; a Lisgarante (393 mil euros); e a empresa mutualista Garval (198 mil euros).

Alguns dos credores bancários só o são "sob condição" (quando há fiadores pelo meio); e outros têm parte da dívida garantida (mediante a entrega de ativos). No caso do Novo Banco, 6,1 milhões de euros são relativos a créditos "privilegiados" face aos restantes acionistas; 1,639 milhões de euros derivam de créditos "sob condição".

No Estado, é o Instituto da Segurança Social o maior credor, com um total de 1,417 milhões, sendo seguido pela Autoridade Tributária e Financeira, com 100 mil euros.

Além das dezenas de trabalhadores, que a lei define como credores prioritários, destaque ainda para a Ydreams Brasil e para a Ydreams Robotics, duas spin-offs da Ydreams, que, contrariamente ao que é comum no mundo da gestão, são acionistas e não participadas da empresa original.

Por e-mail, António Câmara expressa um único comentário sobre a situação financeira da empresa: "Depois de anos extremamente difíceis, submetemos um pedido de PER, mas estamos absolutamente confiantes que vamos recuperar". 

O PER resulta de uma alteração à legislação que regula as insolvências. Entrou em vigor durante 2012, com o objetivo de encontrar uma via alternativa para as empresas que têm dívidas avultadas e pretendem escapar à falência. Num guia do IAPMEI, é possível encontrar a seguinte descrição sobre as condições em que uma empresa ou um empresário podem recorrer ao PER: "Encontra-se em situação de insolvência meramente iminente o devedor que anteveja que não poderá continuar a cumprir pontualmente as suas obrigações".

O brilho do passado

O futuro da Ydreams depende agora do curso das negociações entre credores e administrador judicial. Ao que o Expresso apurou, por norma, os PER seguem uma de duas vias: pagamento de parte da dívida a título imediato (e corte da parte que fica por pagar); ou alargamento do prazo dessa dívida, a fim de aliviar os encargos suportados pela empresa. A reunião de credores só deverá acontecer dentro duas semanas, mas tudo leva a crer que os credores deverão optar por uma dessas duas opções - até porque pode ser a única forma de evitar a falência da empresa... que tornaria ainda mais complexa a recuperação da dívida.

Segundo fontes do mercado, a Ydreams terá entre os principais ativos um portfolio valioso no que toca à propriedade intelectual gerada ao longo de 15 anos de atividade. Sedeada no Madan Parque, dentro do campus da UNL do Monte da Caparica, a empresa começou por despertar a atenção com soluções que tiravam partido dos conhecimentos dos respetivos fundadores - todos eles professores universitários, com carreiras feitas no processamento de imagem, engenharia ambiental e sistemas de localização.

Jogos de telemóvel que, numa aposta muito à frente do seu tempo, punham os utilizadores aos tiros no meio da rua; mostradores de museu; sistemas de interação com repositórios de imagens clínicas para salas de cirurgia; e guias robóticos - eis alguns dos 600 projetos que a Ydreams deu a conhecer dentro e fora de Portugal.

Em 2006, a empresa que mereceu menções na Wired, Business Week ou The Economist e que tinha a Adidas, Nokia, Banco Santander ou Vodafone como clientes, recebe 8,5 milhões de euros de investidores de capital de risco (Espírito Santo Tech Ventures e Herrick Partners). Nesse mesmo ano, António Câmara recebeu o Prémio Pessoa.

Em 2011, começam a circular as primeiras notícias sobre salários em atraso na Ydreams. António Câmara admite problemas nos pagamentos, mas desdramatiza em declarações reproduzidas pelo "Diário Económico": "Vamos acabar o ano de uma forma excelente. Curiosamente, em termos do grupo, estamos a ter o melhor ano de sempre". Ainda nesse mesmo ano, equipa liderada por António Câmara tenta a sorte na bolsa alemã com a Ynvisible - que haveria de deixar de estar cotada mais tarde.

Atualmente, a Ydreams conta com delegações em Espanha e no Brasil e ainda com cinco spin-offs: a Y.Vision; a Ydreams Robotics; a AudienceEntertainment; a Azorean; e a Ynvisible. Foram estas duas últimas spin-offs que mais deram que falar nos últimos tempos: a Azorean ganhou um prémio internacional com uma embarcação telecomandada por telemóvel que viria a ser bem-sucedida na plataforma de crowdfunding Kickstarter; e a Ynvisible desenvolveu uma plataforma de prototipagem na lógica de "faça você mesmo", que também recebeu financiamento em regime de crowdfunding.

O que vai acontecer à Ydreams, às spin-offs e respetivos produtos futuristas? Só os credores poderão responder.