Siga-nos

Perfil

Economia

WorldGMC

Exercício prático de gestão

  • 333

Manuel Mata, Ana Pinto, Bárbara Oliveira e Tiago Talone, compõem a equipa Popular Portuenses.

O Global Management Challenge simula a vida diária de uma empresa e permite a quem nela participa desenvolver competências.

O Banco Popular está a participar na competição com um modelo inovador. Convidou clientes a juntarem-se a funcionários seus e em conjunto a formarem equipas para integrarem o Global Management Challenge 2016. A Popular Portuenses é disso exemplo. Dela fazem parte Manuel Mata e Ana Pinto, colaboradores do Banco Popular e Bárbara Oliveira e Tiago Talone, diretores de empresas.

“Os elementos que compõem a equipa possuem diversas experiências profissionais e em contextos distintos, pelo que essa diversidade é de facto uma mais-valia para o grupo”, explica Manuel Mata, chefe da equipa. Na sua opinião, este tipo de iniciativa que simula virtualmente a gestão quotidiana de uma empresa, permite aos participantes terem uma noção global das dificuldades e do desafio que constitui governar uma sociedade industrial em competição constante com uma concorrência que é naturalmente feroz.

Tendo em conta que cada um dos elementos da equipa tem motivações e experiências distintas, irão também absorver a experiência de forma diferenciada.

Para os dois participantes ligados ao sector financeiro, com uma visão mais técnica do sistema, “as principais preocupações no quotidiano centram-se fundamentalmente em avaliar o risco das oportunidades de negócio que são angariadas e apresentadas, podendo inconscientemente menosprezar o contexto e a envolvência em que as empresas evoluem”, revela Manuel Mata. Na sua perspetiva esta é uma experiência que os pode aproximar da realidade intrínseca das empresas. Já os outros dois elementos, jovens empresários com responsabilidades nos projetos onde estão inseridos “esta vivência irá seguramente fortalecer as suas competências enquanto gestores”, salienta o líder da equipa.

Da análise desta participação Manuel Mata retira que “a vivência deste evento permite-nos concluir que uma empresa, sendo um agente económico importante no desenvolvimento da sociedade, é uma entidade dinâmica que para ser bem gerida e consequentemente ter sucesso, é necessário incorporar boas práticas de gestão e possuir uma visão periférica de toda a envolvente”.