Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Venda da TAP é "algo de antipatriótico", acusa Soares

O Governo diz que não é passível de aceitação o apelo da plataforma sindical da TAP

Luís Barra

Mário Soares manifesta-se solidário com a "coragem" dos trabalhadores. A plataforma de sindicatos da companhia aérea propõe a suspensão do processo de privatização da TAP e da greve entre 27 e 30 de dezembro. A requisição civil é um dos cenários possíveis para o Governo, que não abdica da privatização.

Várias são as vozes que nos últimos dias se têm pronunciado sobre o processo de privatização da transportadora e a greve levantada pelos sindicatos. Esta terça-feira, num artigo de opinião publicado no "Diário de Notícias", Mário Soares diz compreender "a indignação dos funcionários da TAP e do povo português em geral, bem como dos países lusófonos, para a gravidade da privatização da TAP".

Segundo o ex-Presidente da República, a privatização "é algo de antipatriótico que não é aceitável". "Os funcionários da TAP - e muito bem - declararam fazer uma greve. Esta é uma greve patriótica e por isso admiro a coragem dos que a fazem, conscientes do que podem sofrer os portugueses que vivem no estrangeiro e que querem ao menos passar o Natal com as famílias em Portugal. Será que o Presidente da República vai promulgar um ato antipatriótico para agradar ao atual governo?", questiona Soares.

Passos Coelho também já falou sobre a polémica. O primeiro-ministro defendeu na sexta-feira no Parlamento que há dois caminhos para a recapitalização da TAP: a cisão em duas empresas, com o consequente despedimento coletivo, ou a privatização.

O gabinete do ministro da Economia, António Pires de Lima, através de um comunicado enviado de madrugada às redações, confirma já ter recebido e respondido ao memorando da plataforma sindical, que sugere a suspensão do processo de privatização da TAP e da greve entre 27 e 30 de dezembro. O Governo avisa que não é passível de aceitação o apelo da plataforma sindical. De acordo com o ministério, o memorando não cumpre a condição prévia da não suspensão do processo de privatização, comunicada pelo Governo na reunião de sexta-feira, e que na altura não foi contestada pela plataforma sindical.

O ministério da Economia tinha aberto a possibilidade, "mediante o cancelamento da greve, de se constituir um grupo de trabalho que procure trabalhar os pontos de preocupação dos trabalhadores da TAP", afirmou António Pires de Lima, à saída daquela reunião. O governo admite agora recorrer à figura da requisição civil, caso as negociações com os sindicatos não garantam a desconvocação da greve.

Desde que a paralisação foi anunciada, cerca de cinco mil passageiros da TAP já desistiram das reservas. A cumprir-se a greve, estima-se que cerca de 120 mil passageiros possam ser afetados, o que para a companhia aérea poderá significar perdas superiores a 30 milhões de euros.