Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Terça feira problemática na circulação ferroviária

Greve de terça feira, com a duração de 24 horas, abrangerá os trabalhadores da CP, CP Carga, Refer, Metro do Porto, Metro de Mirandela, Soflusa, Fertagus e Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF).

Os utentes dos transportes públicos podem contar com várias perturbações na terça feira devido à greve de um conjunto de empresas do setor, que deverá ter maior impacto na circulação ferroviária.

O coordenador do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF), José Manuel Oliveira, disse à Lusa que

O coordenador do SNTSF disse à Lusa que a paralisação das empresas do setor ferroviário tem como objetivo contestar o "congelamento dos salários, o bloqueamento da contratação coletiva da maioria das empresas e o recente anúncio de privatização da CP, CP Carga e EMEF". 

Supressão da maior parte da circulação ferroviária

"Vamos ter uma grande paralisação de trabalhadores na próxima terça feira", disse José Manuel Oliveira, avançando que os comboios serão os mais afetados. "Pensamos que a maioria dos comboios vão ficar paralisados, quer transportes suburbanos, quer transportes de longo curso", disse o sindicalista. 

"No essencial, vamos ser confrontados com supressão da maior parte da circulação ferroviária. Essa vai ser a regra para a próxima terça feira", acrescentou, salientando que a paralisação não deverá ter impacto na parte operacional do Metro do Porto, uma vez que a Via Porto (sub concessionária para os serviços de operação e manutenção) e o sindicato chegaram a acordo.

Os trabalhadores da CP, CP Carga, Refer e EMEF fizeram a 23 de março uma greve de contra o congelamento dos salários. A paralisação afetou especialmente as linhas urbanas do Porto, com 59% dos serviços não efetuados entre a Invicta e Aveiro, de acordo com a informação disponibilizada, na altura, pela CP.  

Já hoje, os maquinistas da CP iniciaram também o primeiro de três dias de uma greve de cerca de cinco horas, que deverá provocar perturbações nos comboios de passageiros e de mercadorias.  

O presidente do Sindicato dos Maquinistas (SMAQ), António Medeiros, explicou à Lusa que os maquinistas dos comboios de passageiros da CP estarão em greve entre as 5h30 e as 10h na segunda (dia 26 de abril), terça e quinta feira. 

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico***