Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

TC recomenda ao Governo fusão da Transtejo e Soflusa

  • 333

O Tribunal de Contas recomendou ao Governo para avançar com a fusão do grupo Transtejo, responsável pela ligações fluviais entre a Margem Sul e Lisboa.

Uma auditoria do Tribunal de Contas ao grupo Transtejo, responsável pela ligações fluviais entre a Margem Sul e Lisboa, revela que as empresas do grupo devem avançar para uma fusão e que o Governo deve corrigir as receitas dos passes intermodais.

"Concretize a fusão entre a Transtejo - Transportes Tejo, S. A. e a Soflusa - Sociedade Fluvial de Transportes, S. A. de modo a extinguir as ineficiências decorrentes da manutenção dessas duas empresas", refere o documento, como recomendação ao Governo.

O grupo Transtejo é formado pelas empresas Soflusa, responsável pela ligação entre Barreiro e Lisboa, e Transtejo, responsável pelas restantes ligações fluviais no rio Tejo.

Situação financeira deficitária

Com o grupo a revelar uma situação financeira deficitária, a auditoria explica que a procura pelo transporte público fluvial tem vindo, globalmente, a decrescer, tendo perdido 23,8 milhões de passageiros entre 1998 e 2009.   "Em média, entre 2007 e 2009, o volume de negócios gerado cobriu: na Transtejo 31,3% dos custos operacionais e na Soflusa 42,8%", refere.    Outro dos dados apontados é que os oito navios mais jovens da Transtejo, com idade média de 13 anos, foram os que apresentaram, entre 2007 e junho de 2010, as maiores taxas de inoperacionalidade, 41%, e que mais custos de manutenção geraram, 5 milhões de euros do total de 9,3 milhões despendidos com toda a frota de 23 navios.    A auditoria corrige também os números de passageiros transportados pelas empresas, que são cerca de 19 milhões de passageiros, 10 milhões a Transtejo e quase 9 milhões a Soflusa, e não os 28,3 milhões que são apresentados nos documentos oficiais do Grupo. 

Redução de passageiros 

"O que significa que a cada passageiro transportado, naquele ano, estava associado um prejuízo de 1,69 euros, na Transtejo, e 0,38 euros, na Soflusa", salienta.    O número reduzido de passageiros de certas carreiras em determinados horários acentua os défices operacionais.    "Por exemplo, a carreira da Trafaria transportou, em 2009, 590 mil passageiros, sendo que em 25% das viagens realizadas transportou entre zero e 13 passageiros", descreve o documento.    A auditoria, para além de recomendar a fusão das duas empresas, defende que o Governo deve aprovar "um plano estratégico para a mobilidade da área metropolitana de Lisboa" e também corrigir os critérios de repartição de receita dos passes intermodais e combinados, pelos diversos operadores de transportes, públicos e privados, da região de Lisboa.    "A repartição vigente baseia-se em quotas estabelecidas pelo resultado de um inquérito datado de 1989, já profundamente desajustado da realidade e que está a penalizar as empresas públicas", explica.    Como recomendação ao grupo Transtejo, a auditoria salienta a redefinição da oferta "sobretudo a que ocorre em horários com procura reduzida", bem como a revisão dos Acordos de Empresa.    A Lusa contactou o grupo Transtejo, mas até ao momento não foi possível obter nenhum reação.