Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Tarifa do gás natural sobe 3,2% em Julho

A tarifa do gás natural para os clientes com consumos anuais abaixo de 10 mil metros cúbicos vai subir 3,2% em Julho.

A tarifa do gás natural vai subir 3,2% em julho para os clientes com consumos domésticos anuais inferiores ou iguais a 10 mil metros cúbicos, indicou hoje a ERSE. 

 

Esta é a primeira vez, desde que a Entidade de Reguladora dos Serviços Energético (ERSE) fixa a tarifa de venda de gás natural aos clientes domésticos, em que há um aumento, depois de "uma descida acumulada de 7,2% nos últimos anos", refere num comunicado. 

 

A ERSE indica que o aumento global de 3,2% na tarifa de gás natural equivalerá a um acréscimo de 29 cêntimos para uma fatura média de 11,41 euros por mês, o que corresponde a um casal sem filhos e um consumo anual de 150 metros cúbicos (m3) de gás por ano. 

 

Já no caso de um casal com filhos e uma fatura média de 21,58 euros por mês e um consumo de 320 m3 por ano, esta família verá a sua fatura mensal aumentar 63 cêntimos. 

 

Isto significa que mesmo com a subida de 3,2%, a partir do dia 1 de julho deste ano, os consumidores domésticos têm tarifas que, em média, se situam 4,1% abaixo do nível tarifário existente em 1 de julho de 2008. 



Preço do petróleo justifica subida 

A subida do tarifário é justificada pela ERSE fundamentalmente pela "evolução do preço do petróleo", uma vez que o preço do gás natural está indexado à cotação do petróleo em euros. 

 

"Entre as previsões de abril do ano passado e a presente proposta tarifária, o custo do Brent (petróleo do mar do Norte) subiu mais de 30%, pelo efeito conjugado do aumento do preço do petróleo bruto com a desvalorização do euros face ao dólar", explica o comunicado. 

 

A ERSE refere também que a tarifa fixada há dois anos teve uma descida de 3,4% e no ano passado registou uma quebra de 3,9% em 2009, mas que outro dos fatores que levaram à redução do tarifário para este ano teve a ver com "o custo da utilização das infraestruturas reguladas de gás natural". 

 

"Ao contrário do preço do petróleo, que a ERSE não pode controlar, aqui foram aplicadas para o 'ano-gás' 2010-2011 metas de eficiência às empresas que geraram reduções tarifárias em benefício dos consumidores". 

 

Assim, as infraestrutura de alta pressão (transportes e terminal de gás natural liquefeito) terão metas de eficiência entre 1 e 11%, os operadores das redes de distribuição (média e baixa pressão) terão de baixar os custos operacionais entre 0,5 e 3,8% e os comercializadores regulados terão que reduzir os custos entre 1 a 3%. 

 

"Estas metas de eficiência vão aplicar-se durante os próximos três anos do segundo período regulatório do sector do gás natural que se inicia a 1 de Julho deste ano, o que significa que em termos acumulados teremos uma descida dos custos operacionais das empresas entre 3 a 29,5% nas infraestruturas de alta pressão; de 1,5 a 11% nos operadores de redes de distribuição (média e baixa pressão) e de 3 a 8,7% nos comercializadores regulados", conclui a ERSE.  

 

 

*** Texto escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***