Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

TAP vende quatro aviões para aguentar privatização

A venda dos A340 é uma das soluções que a TAP encontrou para aliviar a sua tesouraria enquanto decorre o processo de privatização

Fernando Pinto confirma a venda da frota de A340, que será mais tarde substituída pelos aviões A350.

A TAP está a negociar a venda e aluguer de quatro aviões A340 (sale and leaseback), operação que espera concluir nos dois primeiros meses de 2015.

A venda destes ativos, conforme o Expresso noticiou em primeira mão, é uma das soluções que a TAP encontrou para aliviar a sua tesouraria enquanto decorre o processo de privatização.

No início de novembro, dias antes do anúncio de relançamento da venda da empresa, a administração reuniu-se com o Governo para apresentar soluções, confirmou fonte governamental ao Expresso. Objetivo: criar uma almofada de liquidez que permita à empresa aguentar o processo de privatização, já que, de um modo geral, o financiamento costuma ser mais limitado no período em que decorre este tipo de operações - os bancos preferem "esperar para ver" o que acontecerá ao negócio.

A suspensão de rotas (Tulin, Belgrado, S. Petersburgo e Londres-Funchal) e investimentos (renovação da frota da Portugália) são outras das medidas que a TAP está a adotar.

Sobre as receitas retidas na Venezuela e em Angola (no valor total de 130 milhões de euros) Fernando Pinto, presidente da TAP, diz que as provenientes de Angola estão "a entrar na normalidade", mas que a situação na Venezuela se mantém inalterada.

Num encontro com jornalistas, Pinto recusou revelar o estado atual da tesouraria da companhia, bem como o impacto da operação de verão (custo dos fretamentos e das indemnizações a pagar aos passageiros) nas contas da empresa.

Apenas em relação às greves, o presidente-executivo da companhia contabiliza um custo de 25 milhões de euros com os cinco dias de paralisação já cumpridos este ano. "Isso (as greves) para a TAP é ruim. Para o nosso passageiro é péssimo", comenta.

A privatização da TAP levou entretanto o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) a convocar uma assembleia geral para esta quarta-feira. A greve é uma das ações que está em cima da mesa.