Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Soares da Costa confirma despedimento em massa

  • 333

A construtora Soares da Costa recebeu autorização do Ministério da Economia para proceder a um despedimento coletivo que deverá afectar em Portugal 500 trabalhadores.

Abílio Ferreira (www,expresso.pt)

A Soares da Costa (SC) confirmou em comunicado que recebeu autorização do Ministério da Economia para proceder a rescisões por mútuo acordo que ultrapassa o limite imposto por lei.  Em abril de 2011, a construtora desencadeou o processo legal que permite recorrer a despedimentos "através de processos de cessação consensual por ser mais vantajoso para todos os intervenientes". A empresa pode agora executar o programa de redução que, segundo foi referido na altura por fontes sindicais, envolveria o despedimento de 900 trabalhadores (700 em Portugal e 200 no estrangeiro). Todavia, a SC refere "ser prematuro indicar números concretos". Em todo o caso, "deverão ficar longe dos que vêm sendo noticiados, sendo certo ainda que serão reduzidos ao mínimo essencial" de forma a permitir o normal desenvolvimento e sustentabilidade da atividade do grupo. Em Portugal, a SC emprega perto de 2000 de um universo de 5 mil empregados. Angola é o mercado com maior volume de emprego. O corte no emprego deverá envolver 500 pessoas no mercado português. 

Crise trava emprego

A SC explica o severo corte com a atual crise económica e financeira, com especial incidência no sector de construção e obras públicas, apesar de realizar mais de metade da produção no exterior. Mas, a internacionalização "não é capaz nem suscetível de absorver os excedentes de mão-de-obra que no mercado interno se vão gerando", diz a empresa. As principais construtoras portuguesas já reduziram nos dois últimos anos entre 10 e 15% o seu volume de emprego. O sector conta com perto de 80 mil desempregados e deverá chegar ao fim de 2012 acima dos 120 mil. A SC diz que antecipou a ameaça atual incorporando no seu Plano Estratégico de 2010 "medidas para adequar o seu quadro de pessoal à nova realidade do mercado".