Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Só o Minipreço não vende alimentos transgénicos

A Plataforma Trangénicos Fora avaliou os dez maiores hipermercados para aferir onde existem mais produtos transgénicos. Só o Minipreço se revelou livre deste tipo de produtos.

Os dez maiores hipermercados portugueses foram visitados pela Plataforma Transgénicos Fora, em Lisboa e no Porto, e avaliados quanto ao risco a que expõem os seus clientes no tocante aos alimentos transgénicos.

Na prática, segundo aquela organização, apenas uma grande superfície - o Minipreço - preencheu todos os requisitos da avaliação realizada, ficando por isso em primeiro lugar no total de garantias oferecidas a quem o visita.

Isto significa, entre outros, que, na altura e nas lojas em que foi visitado, não vendia qualquer marca de óleo com soja transgénica, incluindo na sua marca própria. Além disso tem definida e implementada uma política explícita de exclusão de transgénicos em toda a sua gama minipreço.

Jumbo e Corte Inglés são segundos classificados 

Os segundos classificados - o Jumbo e o El Corte Inglés (ex-aequo) - tiveram menos dois pontos porque não protegem completamente os seus clientes: muito embora excluam os transgénicos da sua linha própria estão a vender outras marcas que usam transgénicos.

O Aldi e o Froiz ocupam o 4º lugar com menos dois pontos porque, ao contrário dos referidos, não responderam à carta registada da Plataforma a questionar sobre a sua política relativa ao uso de transgénicos nos seus produtos de marca própria.

Em 6º lugar ficou o Lidl, que se distingue dos anteriores por permitir soja transgénica no óleo alimentar mais barato que tem à venda.

Intermarché em último lugar 

Nos últimos lugares temos o Continente e o Pingo Doce, que ficaram empatados em 7ª posição, seguidos pelo E. Leclerc (9º) e finalmente o Intermarché em último lugar.

Nesta grande superfície revelou-se a discrepância entre uma política anunciada de exclusão de  transgénicos e a sua presença efetiva nos produtos de marca própria. Esta empresa explicou à Plataforma Transgénicos Fora que estava ainda a esgotar stocks existentes, reconhecendo a incoerência (embora temporária).