Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

"Sistema financeiro está bem porque BCP agarrou bancos que estavam mal", diz Jardim Gonçalves

O ex-presidente do BCP Jardim Gonçalves disse hoje que se o sistema financeiro português está atualmente saudável, deve-o às aquisições do BCP do Atlântico, Sotto Mayor e Banco Mello.

"O sistema financeiro português está hoje muito bem, sim, mas porque o BCP comprou três instituições que estavam muito mal", afirmou hoje Jardim Gonçalves no julgamento do recurso das coimas da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), no Tribunal de Pequena Instância Criminal, em Lisboa.

O ex-responsável, que respondia a questões do mandatário do ex-administrador Filipe Pinhal, referia-se às operações de fusão do BCP com o Atlântico, em 1995, e com o Sotto Mayor e Banco Mello, em 2000.

"BdP conhecia os problemas"

"Toda a gente se admirava da forma como o BCP absorveu casas com histórias tão distintas sem quaisquer problemas", disse Jardim Gonçalves. O fundador do BCP lembrou que as operações foram feitas pacificamente apesar de terem sido encontrados problemas nas instituições adquiridas. "Encontrámos coisas que não estavam bem feitas e o BCP não levantou nenhum problema e resolveu tudo", afirmou, adiantando que o Banco de Portugal "sabia" desses problemas. Segundo Jardim Gonçalves, apenas foi tornado público o caso do Banco Português do Atlântico (BPA) porque o então ministro Eduardo Catroga o disse no Parlamento.

CMVM acusa nove ex-gestores do BCP

Jardim Gonçalves continua hoje a testemunhar no julgamento do recurso das penas da CMVM a ex-gestores do BCP. A CMVM acusa nove ex-gestores do BCP - Jorge Jardim Gonçalves, Filipe Pinhal, Christopher de Beck, António Rodrigues, Alípio Dias, António Castro Henriques e Paulo Teixeira Pinto, assim como Luís Gomes e Miguel Magalhães Duarte, ainda em funções no banco - de prestação de informação falsa ao mercado, no período entre 2002 e 2007. Neste sentido, o regulador aplicou coimas aos nove ex-administradores e decretou a inibição da atividade bancária a oito deles pelo máximo de cinco anos.