Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Redução da atividade na refinaria do Porto preocupa trabalhadores

  • 333

A fusão de unidades da refinaria do norte da Petrogal e a redução de efetivos preocupa a Comissão Central de Trabalhadores da Petrogal.

J. F. Palma-Ferreira

As alterações efetuadas no funcionamento e na organização da refinaria do Porto, onde foi recentemente concretizada a fusão da unidade de aromáticos com a de combustíveis e da unidade de óleos de base com a de lubrificantes está a preocupar a Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal, alertando para o facto de terem sido suprimidos mais de 50 trabalhadores, que foram transferidos para outras instalações da empresa fora da refinaria do norte.

"Com a saída de Manuel Ferreira de Oliveira da comissão executiva, perdemos um dos principais elementos da administração que nos dava garantias de apoio à manutenção da atividade de refinação", comenta uma fonte da CCT, considerando que "a nova equipa que foi anunciada para integrar a próxima comissão executiva da Galp não faz esperar nada de positivo para o futuro da refinação em Portugal".

A fonte da CCT considera que o atual momento que o sector petrolífero está a viver é favorável à actividade de refinação, com cotações do petróleo próximas dos 50 dólares por barril que têm garantido margens de refinação positivas, mas, apesar disso, a fonte da CCT diz que "a composição da próxima Comissão Executiva da Galp, totalmente alinhada com os objetivos do empresário Américo Amorim, deve privilegiar a prospeção e exploração petrolífera, o que faz temer uma forte redução na atividade das refinarias".

A refinaria do Porto já esteve para ser encerrada várias vezes, e "foi o interesse que Manuel Ferreira de Oliveira dedicou ao aparelho de refinação português que permitiu investir na modernização das refinarias de Sines e do Porto, mas como tudo muda na Galp não sabemos como será o futuro desta área". Para já, "damos conta das operações de fusão de unidades na refinaria do Porto e da redução do número de trabalhadores que operavam esta unidade", comenta a fonte da CCT.