Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Queda de 56 milhões nos lucros das empresas do PSI20

Fortes prejuízos do BCP contibuíram para os resultados do primeiro semestre.

As 18 empresas que constituem o PSI20, o principal índice da bolsa portuguesa, registaram lucros de 1.895 milhões de euros no primeiro semestre, menos 2,86 por cento do que no período homólogo, devido aos fortes prejuízos do BCP.

No primeiro semestre de 2011, as 18 empresas que hoje constituem o PSI20 (Sem contar com a Cimpor e a Brisa, que este ano abandonaram o índice depois das ofertas públicas de aquisição de que foram alvo) tiveram lucros de 1.950,79 milhões de euros.

Este ano, os lucros foram reduzidos para 1.895 milhões de euros, menos 2,86 por cento ou 55,79 milhões de euros do que nos primeiros seis meses de 2011.

Para esta queda dos lucros contribuiu sobretudo o resultado fortemente negativo do BCP, que registou prejuízos de 544,3 milhões de euros, devido sobretudo a provisões feitas para precaver contra o risco da exposição à Grécia.

O BCP foi mesmo a única cotada a registar prejuízos no último semestre.

Ainda assim, seis empresas registaram quedas nos resultados, com destaque para o BES, a EDP, a Portugal Telecom e o grupo Sonae, em que tanto Sonae SGPS como Sonae Indústria viram recuar os seus resultados.

As restantes 12 empresas apresentaram até junho mais lucros do que no mesmo período do ano passado.

O destaque vai para a Espírito Santo Financial Group (a 'holding' que detém o BES) que, ao quadruplicar os seus lucros para 233 milhões de euros, impediu uma maior queda do acumulado dos lucros do PSI20.

Esta sexta-feira, último dia de agosto, a Mota Engil apresentou os resultados do primeiro semestre, fechando assim a época de apresentação de contas das principais cotadas.

O resultado líquido da construtora liderada por Jorge Coelho ascendeu a 18,3 milhões de euros entre janeiro e junho, um crescimento homólogo de 16,8 por cento, fruto do contributo da área internacional, anunciou a empresa.