Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Programa da troika "destruiu a classe média"

Manuela Ferreira Leite critica programa de ajustamento, por ter sido feito com "erros de base".

O programa de intervenção em Portugal levou ao empobrecimento e à destruição da classe média, afirmou esta manhã, em Lisboa, Manuela Ferreira Leite. Sobretudo porque não foi considerado o efeito causado pelo elevado endividamento das famílias e das empresas.



A responsável falava no Fórum das Políticas Públicas, no ISCTE, que juntou no mesmo painel quatro antigos ministros das Finanças: Manuela Ferreira Leite, António Bagão Felix, Fernando Teixeira dos Santos e Vítor Gaspar. No conjunto, os quatro governaram na pasta das Finanças de 2002 a 2013.



A política orçamental "é praticamente o único instrumento" disponível, recordou Ferreira Leite, que criticou o programa de ajustamento português por ter sido feito com "erros de base", que decorreram da inexperiência em programas de intervenção na União Económica e Monetária e do desconhecimento da realidade portuguesa, inclusive por desconsiderar que o problema não era apenas de dívida pública, mas sobretudo a dívida das empresas e das famílias.

 

Nem toda a dívida foi considerada e, prosseguiu Ferreira Leite, o programa foi demasiado "curto" no tempo. O resultado teria de ser uma recessão, mas "foi mais violenta por causa do endividamento das empresas e das famílias", que impediu maior resistência "aos abalos". Isso levou ao empobrecimento, a uma destruição da classe média, ao enfraquecimento do Estado e ao aumento de desemprego, concluiu Ferreira Leite.



A ex-ministra realçou as reformas estruturais feitas, como a da lei do trabalho e das rendas, mas criticou a (falta de) reforma administrativa, as omissões de ação nas PPP e a manutenção das rendas na energia.



"Quando chegamos ao fim do processo, a dívida pública está de certa forma mais elevada do que no início mas isso não ser elemento de crítica, por causa dos défices mas também porque foi feita uma correção em termos estatísticos de muita dívida que não estava contabilizada", afirmou ainda.