Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Proença de Carvalho ganhou 283 mil euros na Cimpor, mais do dobro do presidente

  • 333

Daniel Proença de Carvalho é o administrador mais bem pago da Cimpor

FOTO José Carlos Carvalho

Advogado Daniel Proença de Carvalho ganhou como presidente do conselho de administração (chairman) da Cimpor 283 mil euros em 2014, mais do dobro do que recebeu o presidente-executivo.

Anabela Campos

O advogado Daniel Proença de Carvalho ganhou, enquanto presidente do conselho de administração (chairman) da Cimpor, €283 mil brutos em 2014, mais do dobro do que ganhou naquele ano o presidente da comissão executiva, o brasileiro Ricardo Lima.

Proença, o homem escolhido pela Camargo Corrêa quando em meados de  2012 a empresa brasileira concluiu com êxito a oferta pública de aquisição (OPA) sobre a Cimpor, foi a pessoa mais bem paga pela cimenteira em 2014. O presidente do conselho de administração tem como missão refletir sobre a estratégia das empresas e reunir consensos entre os vários acionistas. A Cimpor, apesar de continuar cotada na Bolsa, tem 94,8% do seu capital nas mãos de um único acionista. Dados revelados no relatório e contas da Cimpor mostram que a seguir a Proença de Carvalho os mais bem remunerados são Ricardo Lima, o presidente-executivo, e José Neves Adelino, tendo o primeiro recebido €113,2 mil e o segundo €112 mil. Neves Adelino, administrador da Gulbenkian desde fevereiro de 2014, renunciou ao cargo na Cimpor em novembro de 2014. O académico estava na cimenteira desde 2010 e alegou que renunciava ao cargo para responder às exigências das novas funções na Fundação Gulbenkian. 

Sete brasileiros, quatro portugueses

Dos onze elementos que compunham o conselho de administração da Cimpor em 2014, sete eram brasileiros e quatro portugueses. Além de Proença de Carvalho e de Neves Adelino, faziam parte da administração Pedro Rebelo de Sousa e António Pinto Barbosa. Em 2014, a administração da Cimpor reuniu oito vezes e a comissão executiva 12. Globalmente, foi pago ao conselho de administração €1,183 milhões em 2014, menos de metade dos €3,7 milhões gastos no ano anterior.

Proença de Carvalho é advogado da Uría & Menéndez, escritório que assessorou a Camargo Corrêa na OPA da Cimpor e chegou a acumular o cargo de presidente da administração da Cimpor com o de presidente do conselho de administração da Zon. No final do ano passado era presidente de 26 mesas de assembleias-gerais de sociedades de empresas dos mais diversos sectores. Lidera ainda o conselho de administração da Controlinveste Conteúdos, empresa que detém o "Diário de Notícias", o "Jornal de Notícias" e a TSF. A Cimpor terá no triénio 2015-2017 uma administração mais reduzida, com apenas sete pessoas. Proença de Carvalho continuará a presidi-la e Ricardo Lima manter-se-á como presidente-executivo.