Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

PQP: "Nada se fazia (no GES) sem Ricardo Salgado saber"

Pedro Queiroz Pereira (PQP) está a falar na comissão de inquérito ao caso BES

Luís Barra

Pedro Queiroz Pereira considera impossível que algo pudesse ser feito no Grupo Espírito Santo sem o conhecimento de Salgado. E diz que a partir de 2011 o grupo começou a recorrer a operações com "excessiva imaginação" para se financiar.

O acionista do antigo BES Pedro Queiroz Pereira disse esta tarde no parlamento que os problemas no GES começaram há muito tempo, duvidando que Ricardo Salgado não estivesse a par da situação.



"Há muitos e muitos anos que eu sentia que as coisas não corriam bem no GES", afirmou Pedro Queiroz Pereira, sublinhando que ao longo dos anos até 2008 o financiamento do grupo foi feito com recurso aos acionistas e a operações financeiras "muito imaginativas".



"Em 2008 veio a crise mundial e apanhou o grupo já num grande três financeiro. Acho que o GES era mesmo um castelo de cartas ", acrescentou.

Na sua opinião, ao não consolidar as empresas do GES, Salgado escondeu muitas coisas durante muito tempo.

Pedro Queiroz Pereira argumentou ainda que o facto de ter ido ao Banco de Portugal (BdP)  pode ter contribuído para se conseguir um acordo com o GE. Segundo o responsável, a denuncia feita por si ao Banco de Portugal sobre a política de governação do GES e as dúvidas sobre avaliação de ativos no grupo ajudou a conseguir um acordo com o GES quanto à sua posição na Semapa.

Garante, contudo, que saiu do BdP sem perceber nada. "Tinham uma cara de poker. É normal que tenha saído de lá sem saber nada. Passei informações mas sai sem a mínima noção de nada".

Pedro Queiroz Pereira explicou que demorou seis meses a escrever a carta para o BdP e que a  pessoa q mais contactava para falar sobre a situação no grupo era José Maria Ricciardi, que "vivia em situação de pânico". "Note-se que sou muito amigo de todos", frisou.

A situação era de facto "um abismo", por isso diz perceber o que Ricciardi relatou na comissão na terça-feira.



Pedro Queiroz Pereira (PQP) está a responder esta tarde às questões dos deputados na comissão de inquérito à gestão do GES e do BES.