Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugueses fazem fila para abastecer em gasolineiras espanholas

Portugueses fazem contas à vida: o posto de Vilar Formoso não tem clientes e há "enchentes" no de Fuentes de Oñoro, na vizinha Espanha. (Saiba onde encontrar a gasolina mais barata e veja um vídeo sobre como poupar combustível)

O aumento dos combustíveis em Portugal está a ter efeitos graves em Vilar Formoso, com gasolineiras e lojas comerciais praticamente "às moscas" enquanto que em Fuentes de Oñoro (Espanha) se registam "enchentes". Muitos habitantes das localidades portuguesas próximas de Espanha estão a transferir os seus hábitos de consumo para o território vizinho, optando por encher os depósitos dos automóveis a preços mais baixos e realizar compras nos comércios de "nuestros hermanos", onde o IVA tem uma diferença de cinco pontos percentuais. Desde que os preços dos combustíveis começaram a ser mais baixos em Espanha, já encerrou uma gasolineira na avenida principal de Vilar Formoso e as duas que ali estão em funcionamento têm clientela reduzida. Um morador disse à Lusa que a Cipol, que apresenta sinais de abandono, lixo acumulado e equipamentos degradados, "já está fechada há cerca de três anos quando os combustíveis ficaram mais baratos em Espanha". No posto da Repsol (que na quarta-feira, a Lusa encontrou sem qualquer movimento) estava apenso um aviso que informava os clientes que encerra "às quartas-feiras e domingos" mas "o sistema automático encontra-se ligado 24 horas". Neste posto, o litro da gasolina sem chumbo 95 custava 1.474 euros e o gasóleo 1.388 euros. Nas proximidades, a gasolineira Agip, que vendia a gasolina 95 a 1.501 euros/litro, a de 98 a 1.576 e o gasóleo a 1.428 euros, não tinha movimento. Ao serviço encontrava-se a funcionária Maria de Fátima, que se entregava à tarefa de lavar e limpar um carro na estação de serviço e indicava que naquela manhã terão abastecido "dois ou três condutores". "Uns dias podem passar vinte e temos outros com sete ou oito", disse, temendo perder o emprego face à situação de crise. No entanto, com a chegada do Verão, admitia que o negócio poderá "arrebitar" porque "os emigrantes não gostam muito dos combustíveis espanhóis, preferem os nossos".

Clientes da Cepsa e Gildo são na maioria portugueses

Atravessando a fronteira, em Fuentes de Oñoro, nas bombas da Cepsa, o cenário é totalmente diferente, onde carros de matrícula portuguesa fazem fila para atestar os depósitos. Nas duas gasolineiras daquela localidade espanhola (Cepsa e Gildo) os preços explicam a opção dos portugueses: gasóleo - 1.236 euros/litro), gasolina 95 - 1.172 euros e 98 - 1.261 euros.

Pedro Navarro, administrador da Cepsa disse à Lusa que "oitenta por cento" da clientela é portuguesa e que "aos fins-de-semana há mais movimento". Recordou que já houve uma época em que o gasóleo era mais barato em Portugal e "vendia-se lá e eu aqui papava moscas". "O comércio fronteiriço é assim, umas vezes é feito lá [Portugal] e outras cá [Espanha]. Antes tinha três empregados e agora tenho oito e cinco são portugueses", disse. Na gasolineira Gildo, de um grupo que também possui um supermercado, um funcionário garantia que os clientes "são todos portugueses" e vaticinava que "no dia em que faltarem os portugueses", os funcionários irão "para a rua". Silvino Carmo, residente em Almeida, disse que "muitas vezes" se desloca "de propósito para abastecer" o automóvel, considerando que os aumentos em Portugal "são uma vergonha". João Aleixo, em viagem de Lisboa para Miranda do Douro, fez um desvio "para encher" o depósito do carro. "Aqui atestei com 43 euros e se fosse em Lisboa pagava 55 euros ou mais", disse. Também António Pereira, residente na Guarda, deslocou-se a esta localidade espanhola "para meter gasolina no carro e fazer compras", porque "é tudo mais barato". À saída do supermercado Gildo, onde acabara de fazer compras, José Andrade (Almeida), garantia que "de seguida vou meter gasóleo no carro". "Oitenta ou noventa por cento das compras lá de casa são feitas aqui e posso dizer que já há muitos anos que não ponho combustível em Portugal", salientou.

Estratégia para travar concorrência espanhola

Para "combater" a concorrência espanhola, o posto de abastecimento do supermercado Ecomarché de Vilar Formoso optou por baixar os preços e aproximá-los daqueles que são praticados no lado de lá, havendo uma diferença "à volta de dois a três cêntimos", referiu o funcionário António Filipe. "Tem que ser assim, porque caso contrário, não conseguimos. Para já fazemos isto e depois logo se vê", acrescentou, mostrando-se preocupado com a "escalada" dos aumentos nos combustíveis. Os comerciantes de Vilar Formoso também conhecem os efeitos negativos da concorrência dos vizinhos. O Bazar Espanha está "às moscas" e no seu interior apenas se encontrava a proprietária, Maria de Lurdes, que possui o estabelecimento há 22 anos. "Cheguei a ter quatro empregadas fixas e mais duas eventuais e neste momento estou sozinha e sobro", assegurou à Lusa. "Não há movimento absolutamente nenhum. A culpa é do Governo, que sobe o IVA e os combustíveis e os nossos preços deixam de ser atractivos para os espanhóis", opina. Ao lado, no Bazar Electro Zaza, Adriana Vicente também se queixava que "o negócio é fraco". "Temos dias em que fazemos alguma coisa e outros menos, depende. As pessoas das terras vizinhas de Vilar Formoso vão comprando", adiantou Lurdes Caldeira, empregada de uma mercearia que tem "clientes certos". Augusto Canez, emigrante em França, natural de Miuzela (Almeida) contou à Lusa que prefere o combustível português. Fez um abastecimento no posto do Ecomarché após uma ida a Fuentes de O¤oro "para comprar chouriço". "Estive lá [em Espanha] e como havia muita gente nas bombas, vim para aqui, porque a diferença é pouca e evitei a espera", justificou.

Os sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis obrigaram a comunidade a arranjar novas formas de poupar dinheiro. Uma delas está online no site "mais gasolina", que disponibiliza, de Norte a Sul do país, os preços e localizações dos vários postos de abastecimento. A informação está em www.maisgasolina.com (pode aceder através do link no final deste texto) e todos podem contribuir para alargar os dados desta listagem, com preços e localizações detalhadas. Assim, antes de abastecer, é mais fácil verificar onde existe o combustível mais barato. Clique para visitar o maisgasolina.com