Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal subiu para o 9º lugar no clube do risco

Portugal acaba de galgar mais um degrau no clube dos de maior risco à escala mundial. Acaba de ultrapassar a Letónia. O risco subiu para perto de 21%. O risco grego já subiu acima dos 41%. E uma quinta-feira "negra"

Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)

É o dia de maior turbulência no mercado de seguros contra o risco de incumprimento de dívida soberana para a Grécia e Portugal. Os níveis de risco não deixam de subir desde a abertura de manhã.

Portugal acabou por ultrapassar o nível de risco da Letónia e subiu para o 9º lugar no clube dos 10 de maior risco mundial. A probabilidade de incumprimento (default) é, no fecho da sessão hoje deste mercado, de cerca de 21%, segundo os dados divulgados pela CMA DataVision. O nível de preço dos credit default swaps (cds) já ultrapassou o máximo histórico de 8 de Fevereiro.

Dois bancos portugueses continuam sob pressão do mercado dos cds - o BCP e o BES que estão acima dos 300 pontos base, muito mais do que o preço dos cds para a dívida soberana portuguesa que fechou, hoje, nos 270,38 pontos base. A deterioração do nível de cds dos dois bancos foi superior a 20% num só dia.

Para a Grécia é, também, uma quinta-feira negra. O risco de default já está acima dos 41%, cada vez mais próximo do nível dos líderes deste clube, a Argentina e a Venezuela.

A agência de notação de risco Moody's baixou hoje ao meio da tarde o rating da Grécia de A2 para A3 e deixou subentendida a possibilidade de a passar ao terreno dos "B", como já é o caso das notações da Standard & Poor's (em Dezembro desceu a Grécia para BBB+) e a Fitch (que a baixou para BBB- a 9 de Abril passado).

Mais um empurrão na deterioração das condições de crédito enfrentadas por Atenas, que viu as yield (rendimentos) de títulos a dois anos disparar para os 11,61% e as a 10 anos para 9,139%. Antes da crise ligada ao risco de default ter rebentado em Novembro passado em Atenas, a yield no primeiro caso referido estava em 1,38%, referia a Reuters como termo de comparação.