Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Os reguladores vão 'mudar de sexo'

Fátima Barros, presidente da Anacom

Paulo Vaz Henriques

Nos onze reguladores que existem em Portugal, dez são presididos por homens. Fátima Barros, presidente da Anacom, é a única exceção. Em 2018, será o contrário, a maioria dos presidentes serão mulheres.

Anabela Campos

Onze reguladores, dez homens a presidir. Os reguladores portugueses e os seus órgãos sociais vão encher-se nos próximos anos de mulheres e acabar com o reinado quase exclusivo dos homens na regulação. Fátima Barros, a presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), é para já uma exceção, numa área totalmente dominada pelo sexo masculino.  

A regulação vai ser obrigada a mudar de sexo. Mas a mudança vem a caminho e, em breve, tendo em conta a lei-quadro nº 67/2013 das entidades administrativas com funções de regulação, que obriga à alternância de género, tudo será diferente.  "O provimento do presidente do conselho de administração deve garantir a alternância de género e o provimento dos vogais deve assegurar a representação mínima de 33% de cada género", lê-se no artigo 17 da nova lei, publicada a 28 de agosto de 2013. 

Se a lei for aplicada com rigor, em 2018 a maioria dos reguladores será liderado por mulheres, mas nunca se chegará a uma predominância de género como a atual, já que o Banco de Portugal (BdP) e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) ficaram dispensados de aplicar a rotatividade. E nunca houve um governador mulher.  

Leia mais na edição de fim de semana