Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

O próximo problema global: Portugal

É este o título de um texto publicado por Peter Boone, investigador da London School of Economics, e Simon Johnson, antigo economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, no blog Economix, do jornal New York Times.

Sónia M. Lourenço (www.expresso.pt)

Peter Boone, investigador da London School of Economics, e Simon Johnson, antigo economista-chefe do Fundo Monetário Internacional não têm dúvidas: Portugal é o próximo problema global. É esse o título de um texto que, em conjunto, publicaram hoje no blog Economix, do jornal New York Times.

O seu argumento é claro. Após o anúncico do pacote de ajuda europeu e do Fundo Monetário Internacional à Grécia, Portugal é o próximo país no radar. Aliás, para os autores a única razão porque as atenções dos mercados ainda não se centraram em Portugal é a gravidade da situação grega.

"Ambos os países estão, economicamente, à beira da falência, e cada um parece muito mais arriscado do que parecia a Argentina em 2001, quando entrou em incumprimento", afirmam Peter Boone e Simon Johnson.

Dívida de 78% do PIB em 2009

Os autores frisam que Portugal gastou demasiado nos últimos anos, levando a sua dívida a atingir 78% do PIB no final de 2009, o que compara com os 114% da Grécia e com 62% da Argentina, à data do incumprimento. Além disso, tal como acontece com a Grécia, a dívida portuguesa foi "em grande medida financiada pelo estrangeiro".

Portugal, tal como a Grécia, "refinancia os seus pagamentos de juros emitindo nova dívida", argumentam Boone e Johnson. Por isso, em 2012, o rácio entre a dívida e o PIB deve atingir 108%. "A certa altura os mercados financeiros irão simplesmente recusar-se a financiar este esquema Ponzi", enfatizam.

Taxa de câmbio muito sobrevalorizada

O maior problema que Portugal enfrenta, tal como a Grécia, a Irlanda ou a Espanha é, para os autores, estar preso a uma taxa de câmbio muito sobrevalorizada, quando tem necessidade de um ajustamento fiscal muito abrangente.

Por isso, Boone e Johnson consideram que o governo luso pode esperar "vários anos de desemprego elevado e políticas difíceis".

Só que "nem os líderes políticos portugueses, nem os gregos, estão preparados para fazer os cortes necessários", defendem.

E reforçam: "Os portugueses nem sequer estão a discutir cortes sérios. No seu orçamento para 2010 prevêem um défice orçamental de 8,3% do PIB, pouco diferente do que foi registado em 2009 (9,4%). Estão à espera, com esperança que o crescimento económico os tire desta confusão. Mas um crescimento dessa ordem só poderia advir de um extraordinário boom económico global".

O que se segue para Portugal?

Para Boone e Johnson, após o pacote de regate da Grécia, "os políticos portugueses nada mais podem fazer do que esperar que a situação piore e, nessa altura, exigir o seu pacote de resgate também".

A questão é que, eventualmente no futuro, "a Europa cansar-se-à de resgatar os seus países mais fracos", consideram os autores, apontando que Alemanha deverá ser o primeiro país a fechar a torneira.

Até lá a dívida continuará a acumular-se, tornando a situação cada vez mais perigosa. E, quando a torneira fechar, "pelo menos uma nação enfrentará um doloroso incumprimento", rematam Boone e Johnson.

Clique aqui para ler o texto na íntegra