Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

"Nunca quisemos adquirir as empresas do grupo Queiroz Pereira", diz Salgado

"É totalmente falso", diz Ricardo Salgado, referindo-se ao facto de Pedro Queiroz Pereira ter dito que "o GES estava interessado nas empresas do grupo Portucel e em atacar o Grupo Queiroz Pereira".

Anabela Campos e Isabel Vicente (com Liliana Coelho)

O ex-presidente do BES afirma "desconhecer por completo" os elementos que Pedro Queiroz Pereira entregou ao Banco de Portugal. "Parece-me que ele se estava a referir à avaliação do ativos do GES", disse esta terça-feira, na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES.

Salgado explicou que o banco de investimento que fazia a avaliação do grupo avaliava o sistema de discounted cash flow. "Uma das dúvidas de Pedro Queiroz Pereira era essa avaliação", insistiu.

Sobre o facto de Pedro Queiroz Pereira referir que o GES estava interessado em comprar a Portucel e grupo Soporcel, que tinha criado uma "situação terrível no sentido atacar o próprio grupo", garante: "Quero confirmar que é totalmente falso".

"Nunca quisemos adquirir as empresas do grupo Queiroz Pereira. Foi o grupo Queiroz Pereira que criou essa situação com o Banco de Portugal, mas eu desconheço completamente essa documentação", assegurou.

Referindo-se à ideia de "centralização do poder", Salgado defendeu que está associada também à ideia "dono disto tudo". "Foram ideias mal criadas para criar uma situação embaraçosa em relação à minha pessoa", sustentou.

O banqueiro considerou que, na altura e sendo presidente da comissão executiva do BES, a sua visibilidade passou a ser enorme: "E isso deve ter enervado alguns membros do grupo", afirmou.

Contudo, reitera que quer defender o nome da família Espírito Santo: "Mas não vou ferir, não vou estar a criticar a minha família. Não sou eu que vou atacar os membros da minha família".