Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Número de novas empresas cresce 11,8% no início de 2015

  • 333

No primeiro trimestre do ano foram constituídas 11853 empresas, mais 1227 empresas do que no período homólogo.

Constança Lameiras

Segundo os dados divulgados pela consultora IGNIOS, no recente "Observatório de Insolvências, Novas Constituições e Créditos Vencidos", o número de empresas constituídas entre janeiro e março de 2015 cresceu 11,8% (mais 1227 empresas) face ao mesmo período do ano passado. Das 11653 novas empresas constituídas em Portugal, a maioria insere-se no setor de "Outros Serviços" (40,1%). O "Comércio a Retalho" (13,3%) e a "Hotelaria e Restauração" (11,1%) também se destacaram por acolher um significativo número de novas empresas. Numa perspetiva geográfica, as cidades de Lisboa e Porto continuam a ser os principais pontos de partida das novas empresas, concentrando neste período, respetivamente, 27,5% e 18,6% do total das constituições. O rácio de empresas criadas e insolvências apresentou uma evolução favorável, registando um total de 5,32 novas empresas constituídas por cada empresa insolvente, comparativamente ao valor de 4,99 empresas registado no período homólogo. No entanto, no encerramento do trimestre regista-se um crescimento do número de insolvências de 4,9% face ao primeiro trimestre de 2014, tendo-se verificado 2189 empresas insolventes em Portugal entre janeiro e março deste ano. Este crescimento deve-se sobretudo ao aumento em 10,2% do número de processos em que são os credores a solicitar a insolvência e de 8,4% nas declarações finais de insolvência. As insolvências apresentadas pela própria empresa recuaram 2% e os planos de insolvência desceram 38,6%, ainda que mantenham um peso residual no total das insolvências. Com estes resultados, António Monteiro, CEO da IGNIOS, considera que "quase um ano passado sobre o fim do resgate financeiro, a dinâmica de crescimento económico mantém-se nas empresas e empresários portugueses, sustentada nas perspetivas positivas percecionadas para a Economia nacional".