Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Na primeira sessão após a recusa da OPA, BPI está em alta

  • 333

A banca sobe na Bolsa de Lisboa, com o BPI a liderar os ganhos.

No primeiro dia após a recusão da OPA do Caixabank pela administração, o BPI disparou na bolsa. O banco valoriza 6%, cotando a 1,53 euros. Está 15% acima do valor da oferta pública e ganha perto de 50% desde o início do ano.

BCP e Banif também registam valorizações de 1,5%. A banca puxa o PSI 20 para o verde (+0,3%) enquanto a generalidade das bolsas euopeias registam perdas ligeiras.

Segundo a dministração do BPI, o preço oferecido pelo CaixaBank "não reflete o valor  atual do BPI é de 2,04 euros por ação". Se incorporar as sinergias resultantes da operação do Caixabank, o preço justo é 2,26 euros.  O oferta do Caixabank é de 1,329 euros.

O BCP reiterou ontem estar disponível para estudar uma eventual consolidação com o BPI e esta manhã ganha em bolsa 1,5%. O Banif não foge à regra da valorização bancária, com uma subida idêntica.

Ontem o Banif anunciou ter realizado com sucesso uma emissão de 336 milhões de euros de títulos de uma operação de securitização (créditos à habitação em Portugal) com maturidade de oito anos. A procura representou 1,4 vezes o valor da oferta.

Os CTT voltar a registar perdas, ainda que ligeiras, numa semana negra em que já desvalorizou 6%. Mas, hoje quem lidera as perdas é a EDP (-1%). A empresa dos correios terá subido demasiado face ao seu seus fundamentais, e os resultados ficaram ligeiramente abaixo das estimativas dos analistas, embora por razões pontuais. O anúncio de que iriam reservar 10 milhões por ano para premiar a comunidade laboral terá incomodado os investidores.

Tóquio e Nova Iorque em alta

Na sessão de hoje, o índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou a sessão em alta, com um ganho de 1,17%, depois da bolsa A bolsa de Nova Iorque ter encerrado ontem em alta ligeira, encorajada pelo otimismo do Banco Central Europeu. O Dow Jones  ganhou 0,21%, Nasdaq 0,32% e o índice S&P 500  foi o que registou uma valorização mais modesta (0,12%)