Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Maria Luís. "Vocês que são jovens, multipliquem-se"

  • 333

FOTO Alberto Frias

Ministra das Finanças garantiu, na sessão de encerramento das jornadas da JSD, que Portugal tem 'cofres cheios' para pagar salários, pensões e fazer reembolsos da dívida. 

A ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, disse esta quarta-feira que o país tem "cofres cheios" para honrar os seus compromissos na eventualidade de surgirem perturbações no funcionamento do mercado."[A dívida pública] está, de facto, ainda muito elevada(...).

Mas hoje, quando olhamos para a dívida pública, está lá tudo e está também o conforto de saber que, para além disso, temos cofres cheios para poder dizer tranquilamente que se alguma coisa acontecer à nossa volta que perturbe o funcionamento do mercado, nós podemos estar tranquilamente durante um período prolongado sem precisar de ir ao mercado, satisfazendo todos os nossos compromissos", garantiu Maria Luís Albuquerque.

Em Pombal, distrito de Leiria, na sessão de encerramento das jornadas da JSD 'Portugal nas tuas mãos', a governante afiançou que esta situação permite o pagamento de salários, de pensões ou fazer os reembolsos da dívida, "mantendo tudo a funcionar sem perturbação"."E isso é uma parte que também contribui para os números da dívida, mas é uma parte que está posta de lado e que nos permite gerir com tranquilidade tudo aquilo que vai acontecendo", afirmou a ministra, adiantando que quando quem está de fora olha para Portugal vê um país que "num período de quase quatro anos efetivamente conseguiu dar a volta".

Numa plateia maioritariamente constituída por jovens, que lhe dirigiram diversas questões sobre variados assuntos, uma das quais sobre a natalidade, Maria Luís Albuquerque afirmou que "aquela altura ideal em que é tudo perfeito e tudo ótimo e que é o momento ideal para ter filhos não vai aparecer".

Reconhecendo que "há pessoas que gostariam de ter mais filhos e não podem objetivamente porque não têm condições, para a governante "a verdade é que havendo condições razoáveis eles criam-se e compensa".

"Independentemente dos benefícios e dos estímulos e do interesse que temos em estimular isso, vocês que são jovens, multipliquem-se", desafiou, o que motivou do público uma salva de palmas.Sobre a situação da Grécia e depois de ser questionada sobre o que sente sobre o seu homólogo grego, Maria Luís Albuquerque disse: "Sobre o Varoufakis não sinto nada". Quanto à probabilidade da saída da Grécia do Euro, "essa questão se calhar menos do que possa parecer é uma questão que deve ser colocada à Grécia", referiu.

"Verdadeiramente, quem tem a decisão nas mãos sobre se quer ou não quer ficar no Euro é a Grécia. As regras são conhecidas, mas não são conhecidas de agora, são conhecidas desde quando entraram em 2002", observou salientando que estas "são desenhadas para nos proteger a todos".

Após a sessão, na qual não respondeu a uma pergunta sobre a lista VIP de contribuintes feita por um jovem, ao ser questionada pelos jornalistas se se tinha esquecido de responder a esta questão, a ministra de Estado retorquiu: "Eu não me esqueci, eu não vou prestar declarações, estou a falar há horas".