Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros aproximam-se dos 6,5%

Os juros da dívida pública portuguesa a 10 anos aproximam-se, esta manhã, dos 6,5%. No caso da Irlanda, o disparo já empurrou os juros para 7,67%.

Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)

Os juros da dívida pública portuguesa a 10 anos subiram, esta manhã, para 6,48%, continuando a tendência de subida verificada esta semana, segundo dados da Bloomberg.

Este nível de juros aproxima-se do pico ocorrido em 28 de setembro quando atingiram 6,51%, o valor mais alto desde a adesão à zona euro em 1999.

No caso da Irlanda, estes juros já estão nos 7,67%, novo pico durante esta crise, um nível muito superior ao da Hungria (intervencionada pelo Fundo Monetário Internacional e fora da zona euro).

O spread (diferença) em relação aos juros das Bunds alemãs a 10 anos (que servem de referência na zona euro) é já superior a 5% no caso de Dublin e próximo de 4% no caso de Lisboa.

O governo irlandês, tal como o português, continua oficialmente a colocar de parte bater à porta de Bruxelas e requerer a assistência da Facilidade Europeia de Estabilização Financeira e do FMI. O braço de ferro com os mercados financeiros continua.

A subida dos juros da divida pública a 10 anos em Portugal, Irlanda e Grécia (onde se aproximam de 11%) sinalizam a percepção muito negativa dos investidores que continuam a atribuir das mais altas probabilidades de default (incumprimento da dívida soberana) num horizonte de cino anos aos três países que se mantém no TOP 10 mundial deste risco. A Grécia desceu para 2º lugar ontem no fecho (depois de ter estado a liderar o "clube", ultrapassando a Venezuela), a Irlanda conserva o 3º e Portugal o sexto, segundo o monitor da CMA DataVision. O risco de default está já acima do fecho de ontem para a Irlanda (com 39%).

As razões que motivam esta percepção dos investidores - e a oportunidade de ganhos para os especuladores neste mercado da dívida soberana - são diversas, como salientam os analistas internacionais, e se referia ontem em artigo. As várias razões convergem para o mesmo remoinho e alimentam-se umas às outras.