Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Já há um Espírito Santo a pedir desculpa - e não deve haver outro

FOTO ALBERTO FRIAS

José Manuel Espírito Santo quebrou esta tarde o "discurso oficial" dos seus primos e pediu desculpa pela queda do BES e do GES. Dos chefes dos cinco ramos da família, o primo de Ricardo Salgado é o primeiro a fazê-lo. E pode bem ser o único.

"Gostava que as minhas primeiras palavras fossem dirigidas aos clientes, investidores e colaboradores que confiaram na marca Espírito Santo. Embora isso não remedeie as suas perdas e o seu sofrimento, quero dizer que lamento profundamente tudo o que sucedeu".

Foi com esta frase que José Manuel Espírito Santo iniciou hoje a sua audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso Espírito Santo. "Em meu nome pessoal e do ramo familiar que represento", prosseguiu José Manuel Espírito Santo, "quero deixar as minhas primeiras palavras para todas essas pessoas, que foi quem mais sofreu com tudo isto e que merecem pelo menos um pedido de desculpas institucional. Sei que estas palavras não resolvem o seu problema, mas quero começar por aí e é meu dever dizê-lo."  

Na mesma intervenção, o antigo administrador do Banco Espírito Santo assumiu assim responsabilidades institucionais, separando-as das individuais: "Uma coisa são as responsabilidades individuais e isso será apurado pelas entidades competentes, e eu assumo apenas as minhas, mas outra coisa é a responsabilidade institucional", afirmou.

José Manuel Espírito Santo é o quarto líder dos cinco ramos da família Espírito Santo a prestar declarações na comissão de inquérito, depois de Ricardo Salgado, José Maria Ricciardi e, esta manhã, Manuel Fernando Espírito Santo. Falta apenas Pedro Mosqueira do Amaral, que será ouvido amanhã.

De todos os já ouvidos, José Manuel foi o primeiro a pedir desculpa. O "chefe" do ramo segue assim o caminho apontado no passado por Caetano Beirão da Veiga, que também pertence ao seu ramo familiar (mas não como chefe), e que no verão em entrevista ao Expresso afirmou que a família devia pedir desculpa aos clientes, trabalhadores e acionistas. 

Uma família partida 

A família Espírito Santo tem cinco ramos, que controlavam todo o império do Grupo e do Banco, através de uma "cascata" de participações que nascia na "holding" Espírito Santo Control. Nove membros destes cinco ramos reuniam-se amiúde em sede de Conselho Superior. Este Conselho foi entretanto extinto, a ES Control dissolveu-se, o grupo tornou-se insolvente, o banco entrou em processo de resolução - e a família desagregou-se, havendo vários membros de relações cortadas. O caso mais evidente é entre Ricardo Salgado e José Maria Ricciardi, primos direitos que "romperam" há vários meses.

Salgado era presidente executivo do BES, José Maria Ricciardi é ainda hoje presidente executivo do BES Investimento,  José Manuel Espírito Santo liderava o Banque Privée  Espírito Santo na Suíça, Manuel Fernando Espírito Santo presidia à RioForte - e todos eram administradores do GES, assim como Pedro Mosqueira do Amaral.