Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Greve: ferroviários espanhóis 90%, Governo 20%

  • 333

Os sindicatos dos trabalhadores ferroviários apontam para uma adesão à greve de 90%, enquanto o Governo fala em 20%. Paralisação custará entre três e os quatro milhões de euros.

A adesão à greve dos trabalhadores do sector ferroviário, em Espanha, está a rondar os 90%, segundo os dados dos sindicatos, que já anunciaram ir recorrer aos tribunais devido aos serviços mínimos impostos pelo Governo. O Ministério do Fomento espanhol, por sua vez, diz que a adesão ronda os 20%.

Os serviços mínimos garantem 75% dos comboios de alta velocidade, 67% os comboios interurbanos e 19% dos comboios de mercadorias, pelo que os sindicatos que convocaram a greve -  CCOO, UGT, CGT, Semaf, Sindicato Ferroviario e Sindicato da Circulação - acusam-nos "de serem os mais abusivos da história" e prometem levar o caso à Justiça.

O Executivo espanhol estima que esta greve provoque um prejuízo situado entre os três e os quatro milhões de euros, agravado pelo facto de a paralisação de 24 horas coincidir com o início das férias de agosto.  Segundo o "El País", a greve está a decorrer de modo geral com normalidade, estando a ser cumpridos todos os serviços minímos, à exceção da Catalunha, onde já se registaram alguns incidentes e atrasos. "Mariano, Mariano, arruinas-nos o verão" ou "Mariano, atende, a Renfe não se vende" são algumas das palavras de ordem mais ouvidas nos piquetes de greve. 

Incidentes na Catalunha

A greve começou à meia-noite em todo o país. Em Madrid, cerca de 50 trabalhadores iniciaram o protesto às 6h na estação de Atocha, a que se juntou mais tarde outra centena de trabalhadores, que saíram para a Avenida Cidade de Barcelona, mas que acabaram por ser impedidos de cortar o trânsito. Já na Catalunha registaram-se vários incidentes nas primeiras horas da greve, nomeadamente incêndios nas linhas e disparo de alarmes, que levaram a atrasos nos comboios. O secretário de Estado do Fomento, Rafel Catalá, pediu  "responsabilidade" aos sindicatos, dado os prejuízos  "sobretudo numa sexta-feira de agosto, para a economia, para o turismo e para a própria Renfe." Segundo o governante, o Executivo está  aberto a negociar com os sindicatos para "assegurar a viabilidade do serviço ferroviário". A Renfe, Adif e Fev já acumulam uma dívida de 20.700 milhões de euros.