Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Granadeiro, Bava e a Oi sabiam do investimento que tramou a PT

  • 333

FOTO Luis Barra

"Pedi a Zeinal Bava e transmiti a Henrique Granadeiro que o investimento fosse feito por um ano", diz Ricardo Salgado na Comissão Parlamentar de Inquérito. E assegura que os acionistas brasileiros da Oi também sabiam das aplicações na Rioforte.

Anabela Campos e Isabel Vicente

"Solicitei que a aplicação (na ESI/Rioforte) fosse prorrogada por um ano. Com Henrique Granadeiro falava de estratégia, com Zeinal Bava procurava falar dos acordos (com a Oi) e da aplicação que devia ser feito por um ano", diz Salgado, em resposta ao deputado do PS, Pedro Nuno Santos, na Comissão Parlamentar de Inquérito.  

"Zeinal Bava sabia do investimento da PT na Rioforte?", pergunta Pedro Nuno Santos. Salgado responde: "Acredito que sim". E o deputado prossegue: "Granadeiro sabia?" Resposta de Salgado: Acredito que sim". E continua Salgado, os accionistas brasileiros "sabiam e depois desmentiram. Estava nas contas do aumento de capital". O ex-presidente do BES diz ainda: "Henrique Granadeiro e Zeinal Bava sabiam que os brasileiros sabiam".

Salgado assegura que é verdadeiro o email publicado pelo Expresso em agosto, onde o ex-presidente do BES recorda ao acionista da Oi, Sérgio Andrade, o acordo da fusão, no âmbito do qual deviam continuar a ser feitas aplicações nas holdings do GES. Nesse email Salgado diz que o presidente da Oi, então Zeinal Bava, estava a par de tudo. Agora na CPI acrescenta: "A Henrique Granadeiro disse que se devia procurar a reciprocidade (com os brasileiros da Oi). Já tinha falado com Zeinal e com os brasileiros", esclarece o ex-banqueiro.  

Porque não denunciou publicamente que os brasileiros da Oi sabiam que a PT tinha aplicações em dívida da Rioforte quando, em julho, começaram a ser renegociados os termos da fusão da PT e da Oi, pergunta o deputado do PS. E Salgado responde: "Não tive tempo. Já tinha começado o colapso. Estava completamente absorvido no BES".

A PT  SGSP aceitou reduzir a participação na CorpCo, empresa que resultaria da fusão entre a PT e a Oi, de 39% para 25,6%, e aprovou a decisão a 8 de setembro. Tudo porque os brasileiros diziam desconhecer a aplicação ruinosa na Rioforte.  E sobre a renovação do investimento da PT na Rioforte em abril de 2014, Salgado diz que não sabe quem fez.

"A PT deslocou o investimento da ESI para a Rioforte por sugestão da área financeira. Não sei por quem. Essa conversa foi tida com a área financeira. Esse investimento já lá estava desde 2000", respondeu Ricardo Salgado. Pedro Nuno Santos volta a questionar, e Salgado responde: "Eu não trato de operações financeiras. Trato com os responsáveis da PT de desenvolvimentos estratégicos".