Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Fernando Ulrich insiste: "Não tenho que pedir desculpa"

  • 333

O presidente do BPI diz que não tem que pedir desculpas e não aceita lições de "sensibilidade social".

O presidente do BPI, Fernando Ulrich,  foi hoje questionado, em sede de comissão parlamentar, pelo deputado João Galamba do PS que considerou a suas declarações sobre os sem-abrigo "uma gaffe à Maria Antonieta", de "mau gosto" e grande "insensibilidade", clamando por um "pedido de desculpa a quem insultou". "Não recebo lições de sensibilidade social", respondeu Ulrich. O banqueiro, presente no Parlamento para explicar a ajuda do Estado a bancos como o BPI, mas também CGD ou Banif, no valor de três mil milhões de euros, repetiu que "o nível de sacrifícios ou austeridade depende do desempenho da economia" .

"O que eu já disse sobre essa matéria é que o nível de sacrifícios que uma sociedade pode estar sujeita depende do desempenho da sua economia e no estado em que Portugal se deixou colocar isso seria inevitável", disse Ulrich.

E acrescentou: "Ao dizer que não podemos suportar mais sacrifícios isso não quer dizer que não venha mais austeridade. A economia não funciona assim. É obvio que ninguém gosta de sacrifícios sejam eles quais forem".

Sobre a referência aos sem-abrigo, o presidente do BPI reitera que não quis ofender ninguém, pelo contrário, sublinhando que tem o maior respeito pelas pessoas que passam por uma situação tão difícil.

Foi um "sinal de respeito" pelos sem-abrigo

"Não sei porque alguém se choca, quando falei dos sem-abrigo. Não é uma falta de respeito, pelo contrário, na minha cabeça era um sinal de respeito pelas pessoas que já viveram nessa situação tão dramática."

E respondendo à segunda questão de João Galamba, concordou que o crescimento da economia é a única forma de evitar estas situações, por "aumentar a nossa capacidade negocial com os credores".

Voltando às controversas declarações: "Não recebo lições sobre sensibilidade social. Como não tive intenção de ofender ninguém, pelo contrário.  A minha intenção foi mostrar respeito pelo enorme sofrimento desses seres humanos".

"Aquela situação eu também posso vir a passar ou a minha família. Não me revejo no que disse o senhor deputado e portanto não tenho que pedir desculpa", rematou.

Sobre as implicações das regras Basileia III, Fernando Ulrich defendeu que estas reforçam a convicção de que seria apropriado que a autoridade bancária europeia atualizásse os seus critérios.

"Fazia todo o sentido que os valores fossem atualizados para os atuais valores do mercado", defendeu.