Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fábrica de papel abre em Viana e cria 35 empregos

  • 333

Resolvido o problema do fornecimento de energia, a fábrica de papel começa a produzir ainda este mês.

 A Fortissue, uma fábrica de papel para uso doméstico e sanitário (tissue) de Viana do Castelo, inaugura a unidade fabril no fim do mês, depois de resolvido o fornecimento de energia elétrica pela EDP.

 A linha de Alta Tensão que serve as instalações e as vistorias sequentes induziram um atraso e adiaram para este mês a instalação da linha de produção.Nesta fase, decorre a instalação da linha de produção.

A fábrica, a terceira do grupo Suavecel, recebera no fim de novembro o equipamento fabril, mas na altura não tinha ainda eletricidade para alimentar a máquina. " O arranque derrapou dois meses face ao programa inicial por causa do atraso no fornecimento de energia. Tivemos de interromper o processo de instalação" refere o diretor fabril, André Silva. 

35 empregos no arranque

O dono do grupo, Nuno Ribeiro, chegara a classificar a morosidade da EDP " como um comportamento abusivo e inaceitável", prejudicando a economia do pais.

 O investimento de 30 milhões de euros da Fortissue é um projeto PIN (Potencial Interesse Nacional) que contempla a instalação de duas máquinas de papel, cada uma com uma capacidade  de 120 toneladas por dia e a criação de 180 postos de trabalho.

Mas, nesta fase a unidade arranca com uma máquina e 35 trabalhadores, contratados desde setembro. A segunda fase "depende do comportamento do mercado e da evolução da economia", refere André Silva.

A  Fortissue é detida pelo grupo  Suavecel, que se dedica à produção de artigos de papel como rolos de cozinha, guardanapos, lenços ou papel higiénico. O grupo domina toda a cadeia de valor, evoluindo  para produção de papel tissue para não estar dependente de fornecimento de terceiros e manter a sua estratégia de crescimento.

Além de marcas próprias, fornece produtos de marca branca para todas as grandes cadeias  de distribuição, exportando para Espanha e França. Em 2014, o grupo vendeu perto de 60 milhões de euros.