Siga-nos

Perfil

Exame

Exame

Conheça as 500 Maiores & Melhores Empresas

A 28º edição das 500 Maiores & Melhores Empresas (500 M&M) revela-lhe quais as companhias que se destacam na economia portuguesa. O código que consta na edição especial das 500 M&M, já nas bancas, dá-lhe acesso ao ranking geral do estudo e às análises por mercados e por regiões, assim como à metodologia deste estudo, uma iniciativa da EXAME, em parceria com a Informa D&B e a Deloitte

EXAME

Um ano “nim”. Nem sim, nem não. Nem positivo, nem negativo. Assim se pode descrever 2016 para as maiores empresas em Portugal. Considerando o conjunto das 500 Maiores & Melhores (500 M&M) empresas no país e comparando com o seu desempenho no ano anterior, as vendas não caíram, mas também quase não subiram, os lucros não encolheram, mas também quase não cresceram. Mais ainda, a rentabilidade degradou-se. Uma evolução que acabou por desapontar face à registada em 2015. Um pouco à semelhança da economia portuguesa. Após a aceleração do crescimento do produto interno bruto (PIB) português em 2015, para 1,8% (depois dos 0,9% registados em 2014, pondo fim a uma recessão de três anos), o aumento de 1,5% em 2016 acabou por ficar aquém das expectativas criadas no país.

O volume de negócios das 500 M&M cresceu apenas 1,1% em 2016, face ao ano anterior, voltando a desacelerar face aos 2,2% de incremento anual registados em 2015. Em 2014, as vendas tinham crescido 3%. Desta forma, as vendas atingiram 123,33 mil milhões de euros, um valor que representa 66,6% do PIB luso em 2016, mostrando a importância deste conjunto de grandes empresas para a economia portuguesa.

Estas são apenas algumas das conclusões da edição de 2017 das 500 M&M (que analisa o exercício de 2016), uma iniciativa da EXAME, em parceria com Informa D&B e da Deloitte. A 28.ª edição do estudo anual, publicado desde 1990, traz mudanças. Manteve-se o objetivo: premiar as grandes empresas em Portugal. Contudo, e porque num mundo globalizado, as dinâmicas sectoriais se alteraram, assim como as cadeias de valor, os parceiros desta iniciativa anual decidiram transformar a metodologia do estudo das 500 M&M empresas em Portugal.

Mais do que olhar para as grandes companhias de um ponto de vista mais estático, de acordo com o sistema de classificação Código de Atividade Económica (CAE Rev. 3.0), optou-se por definir um outro método de classificação, que coloca em evidência a dimensão de alguns mercados em Portugal e os seus diferentes desempenhos na economia nacional, segundo diversos indicadores, tais como maturidade, volume de negócios, emprego, exportações ou valor acrescentado bruto, seguindo uma lógica de cadeia de valor. Neste novo sistema de classificação desenvolvido pela Informa D&B, consideram-se cinco macrocategorias: Estrutura de Base, Construção/Transformação, Distribuição, Consumo e Serviços. São, depois, divididas em 13 mercados, que dão destaque a grandes áreas da economia.