Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Eurostat confirma descida da inflação em novembro na zona euro

A inflação anual na zona euro desceu de 0,4% em outubro para 0,3% no mês seguinte. Em Portugal manteve-se em 0,1%. Na evolução mensal, regista-se uma ligeira inflação negativa na zona euro e em Portugal.

A inflação anual na zona euro foi de 0,3% em novembro, uma décima menos do que em outubro, anunciou esta quarta-feira o Eurostat, o organismo europeu de estatísticas, confirmando a estimativa preliminar que publicara no final de novembro. O processo de desinflação regressou em novembro. A taxa de inflação anual desceu de 0,5% em junho para 0,3% em setembro, e subiu para 0,4% em outubro. Em novembro voltou à trajetória de descida.

A inflação muito baixa foi motivada principalmente pelo impacto das descidas dos preços dos carburantes para os meios de transporte, das telecomunicações e dos combustíveis líquidos. A derrocada do preço do barril de petróleo desde o pico em junho é um dos elementos centrais da atual dinâmica de desinflação na zona euro.

Portugal registou uma inflação anual de 0,1% em novembro, mantendo-se sem alteração em relação à taxa registada em outubro. O ponto mais baixo da inflação anual foi registado em julho com inflação negativa de -0,7%. Desde outubro é ligeiramente positiva.

No "clube" da inflação anual negativa incluem-se, na zona euro, a Grécia e Espanha, e fora da moeda única, a Bulgária e a Polónia.

Em termos de evolução em cadeia, de outubro para novembro, a inflação mensal foi ligeiramente negativa na zona euro. A variação mensal foi negativa, de -0,2%. No caso português, a variação mensal foi também negativa, de -0,4%. As situações mais graves de inflação mensal negativa  registaram-se em novembro em Chipre e em Malta.

Para os analistas a persistência de uma inflação muito baixa e em trajetória continuada de descida aumenta as probabilidades do Banco Central Europeu no primeiro trimestre de 2015 optar por um programa de compra de dívida soberana dos países menbros do euro. Segundo a mais recente sondagem da Bloomberg junto de analistas, 90% dos inquiridos acham que o BCE avançará para essa opção, uma percentagem superior aos 57% que se manifestavam em novembro nesse sentido.

De acordo com as mais recentes projeções macroeconómicas do BCE, a previsão da inflação anual para 2014 é de 0,5%, uma décima abaixo da anterior previsão realizada em setembro. A projeção para 2015 foi revista em baixa de 1,1% para 0,7%, um nível de inflação anual muito distante da meta estatutária da política monetária para a zona euro de inflação anual "abaixo mas próxima de 2%".