Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

EUA: Fed divulga novas medidas de apoio à economia

Até ao final de junho de 2012, a Fed vai vender 400 mil milhões de dólares em títulos do Tesouro.

A Reserva Federal norte-americana anunciou hoje novas medidas de apoio à economia dos Estados Unidos para ajudar uma recuperação que considera "lenta".

Até ao final de junho de 2012, a Fed vai vender 400 mil milhões de dólares (€294 mil milhões) em títulos do Tesouro e vai recomprar um valor idêntico com uma maturidade mais longa, adiantou o Comité de Política Monetária (FOMC, na sigla em Inglês) da instituição, em comunicado, após o seu encontro de dois dias.

A Fed vai trocar as obrigações do Estado com uma maturidade restante inferior a três anos por outras de maturidade superior, de seis a 30 anos, esclarece a nota. O objetivo da medida é fazer baixar as taxas de juro de longo prazo para apoiar a atividade económica.

Para apoiar o mercado de empréstimos imobiliários, a instituição liderada por Ben Bernanke vai também recomprar títulos imobiliários sem aumentar a dimensão da sua carteira.

Para isso, vai continuar a reinvestir títulos detidos por credores imobiliários à medida que chegam ao fim do seu prazo. No entanto, em vez de recomprar as obrigações do Tesouro como até agora, a Fed vai recomprar títulos endossados aos credores imobiliários dos organismos de refinanciamento hipotecário, como a Fannie Mae e a Freddie Mac.

Taxas de juro vão manter-se "até meados de 2013"

As taxas de juro da Reserva Federal vão manter-se "até meados de 2013", caso as condições o imponham, acrescenta a FOMC, repetindo o compromisso da última reunião, em agosto.

[A principal taxa de referência da Fed não é discreta, mas tem definido um intervalo entre zero e 0,25 por cento, desde 16 de dezembro de 2008.] Tal como sucedeu nesse encontro, três dos dez membros da FOMC votaram contra a decisão do Comité: Richard Fisher, Narayana Kocherlakota e Charles Plosse não são "a favor das medidas de apoio monetário suplementar", refere a nota.

Na sua declaração, a Fed sublinha que a economia está a crescer lentamente, o desemprego é elevado e que o mercado imobiliário continua em queda prolongada.