Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Espanha mantém TGV mas sem data de conclusão

  • 333

O Governo espanhol vai manter o seu plano da rede de alta velocidade até Badajoz, apesar da desistência de Portugal.

Espanha vai manter o projeto do TGV até Badajoz, garantiu o Governo liderado por Mariano Rajoy, depois do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho ter anunciado que Portugal desistia em definitivo da rede de alta velocidade.

A ministra espanhola do Fomento, Ana Pastor, vai reunir-se nos próximos dias com os seus homólogos português e francês para debater o assunto, mas disse estar satisfeita por Portugal garantir a construção de uma linha férrea para Espanha de bitola europeia, segundo o jornal "El País".

De qualquer forma, o projeto vai avançar, mas sem um prazo definido, refere o "El Pais" que cita fontes do ministério do Fomento espanhol.

Para trás, ficam as estimativas de uma ligação rápida entre os dois países, tal como prometiam os então chefes de Estado dos dois países, José Sócrates e José Luis Rodríguez Zapatero.



Com a desistência de Portugal, a rede de alta velocidade já não servirá assim para ligar as capitais europeias, mas para unir Madrid com as cidades espanholas de Cacéres e Badajoz.



O Executivo espanhol canalizou 4730 milhões de euros para o projeto, mas até agora só desembolsou 419 milhões, o que leva vários peritos a defender que a desistência de Portugal seria um bom momento para avaliar os prós e contras e estudar alternativas mais modestas.



Bitola europeia



"A decisão que o ministro português Álvaro Santos Pereira me comunicou é que vai optar pela bitola europeia, que é uma excelente notícia para nós", disse a ministra Ana Pastor.



O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, já tinha garantido na quinta-feira que Portugal iria optar pela construção de uma linha férrea para Espanha de bitola europeia.



"O projeto do TGV está definitivamente arrumado", disse Passos Coelho, sublinhando que a Lisboa vai optar pela bitola europeia. 



"A ligação às redes transeuropeias ferroviárias é para nós importante - por essa razão temos vindo a conversar quer com o Governo espanhol, quer muito proximamente o faremos também com o Governo francês e com a Comissão Europeia - no sentido de aproveitar os fundos que estão disponíveis para promover estas ligações que precisam, no entanto, de um acordo quer da Comissão Europeia quer de Espanha, quer de França", concluiu.